A queda no sinal de internet disponibilizado pela Oi deverá ser explicada oficialmente ao Procon. O órgão de defesa do consumidor está oficiando a operadora a esclarecer o problema que deixou milhares de petropolitanos sem o serviço nesta quarta-feira (28.02). A empresa poderá ser multada, já que não é a primeira vez que deixa a cidade sem o serviço. O problema que atingiu consumidores de todo o município causou “prejuízo incalculável” no comércio, além de transtornos no dia a dia da população.

“É inadmissível que uma empresa que ofereça um serviço tão básico quanto esse deixe tantas pessoas sem internet durante tanto tempo. Eles terão que esclarecer qual o problema ocasionou essa situação na cidade. Não é a primeira vez que isso ocorre e, por isso, eles deverão ser multados pela irregularidade. A Oi terá que se responsabilizar pelo prejuízo que causou ao comércio a tantos petropolitanos”, destaca o coordenador do órgão, Bernardo Sabrá.

O apagão no serviço de internet causou um “prejuízo incalculável” ao comércio, conforme informação do presidente do Sicomércio e secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Fiorini. Ele explica que boa parte do comércio utiliza a conectividade da Oi em seus estabelecimentos e que a queda no sinal de internet causa diversos transtornos.

“A maioria das transações feitas por cartões de crédito e débito que dependem da internet para que as máquinas funcionem. Outro problema causado é que a emissão de notas fiscais é feita on-line, ou seja, esse problema praticamente inviabiliza o funcionamento das lojas, que perde em vendas”, destaca Fiorini.

Essa não é a primeira vez que a operadora deixa os petropolitanos sem os serviços oferecidos. No fim de 2017, moradores do Vale das Videiras ficaram dois dias sem o sinal oferecido ela Oi. À ocasião, o Procon notificou a operadora, que disse ter feito os reparos e investimentos para erradicar esse tipo de falha, mas os problemas continuam em toda a cidade. No histórico da empresa, ainda há um outro caso quando deixou de atender a cidade por 72 horas.

Além disso, a Oi lidera com folga o ranking de reclamações em Petrópolis. Ao longo de 2017, foram efetuadas 758 queixas contra a empresa – número 75% maior que a segunda colocada.

“Iniciamos uma investigação contra prestadores de serviço de internet, telefonia e TV. Nossa intenção é resolver, na fonte, o motivo do problema e não com medidas paliativas. O fato que aconteceu nesta quarta-feira, só corrobora a necessidade de que as empresas sejam pressionadas a realizar um serviço de qualidade na cidade”, destaca Sabrá.