Créditos: REUTERS/Yves Herman

Presidente da FIFA faz apelo para que clubes liberem os jogadores convocados para as Eliminatórias

Tanto a Premier League quanto a La Liga declararam apoio aos times que se recusarem a liberar os atletas.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, disse nesta quarta-feira (25), que os clubes da Premier League, da Inglaterra e La Liga, da Espanha devem liberar seus jogadores para as eliminatórias da Copa do Mundo no próximo mês para “preservar e proteger a integridade esportiva”.

Os responsáveis de ambas as competições disseram nessa terça-feira (24) que apoiam os times que se recusam a disponibilizar os atletas para disputar eliminatórias que ocorram em países onde eles teriam de ficar em 10 dias de quarentena no seu retorno, principalmente na América do Sul.

A Premier League disse que cerca de 60 jogadores estavam programados para viajar a 26 países da “lista vermelha” do Reino Unido, enquanto a La Liga disse que 25 jogadores de 13 clubes diferentes serão afetados, número que pode ser ampliado quando Equador e Venezuela anunciarem seus times.

“Estou pedindo uma demonstração de solidariedade de cada membro da associação, cada liga e cada clube, para fazer o que é certo e justo para o jogo mundial”, disse Infantino em comunicado. “Muitos dos melhores jogadores do mundo competem em ligas na Inglaterra e na Espanha, e acreditamos que esses países também compartilham a responsabilidade de preservar e proteger a integridade esportiva das competições em todo o mundo.”

O presidente da FIFA disse que escreveu ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pedindo apoio.

“Sugeri que uma abordagem semelhante à adotada pelo governo do Reino Unido para as fases finais da Eurocopa seja implementada para as próximas partidas internacionais”, acrescentou.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.