Presidente da Câmara de Vereadores de Nilópolis é preso em operação da Polícia Civil

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Policias civis da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) fazem, nesta quinta-feira, uma operação em vários pontos do Rio e da Baixada para cumprir três mandados de prisão e outros três de busca e apreensão. Um dos alvos é o presidente da Câmara de Vereadores de Nilópolis, Jorge Henrique Cruz (SD), conhecido como Dedinho. Ele foi preso pouco depois das 6h em casa, no bairro Olinda.Outros procurados são Ronaldo Izidoro e Valdevar Pereira da Silva Júnior. 

Todos eles são investigados pelo planejamento do assassinato do vereador Roberto de Barros (PTB), o Betinho, que também é policial civil.Betinho passou a incomodar Dedinho após pedir um mandado de segurança para anular um ato do adversário político sobre a disputa pela Presidência da Câmara de Nilópolis.

De acordo com as investigações, Dedinho mandou Ronaldo contratar Fernando Boia de Faria para executar Betinho por R$ 200 mil. Fernando terceirizou os serviços para uma outra pessoa, mas o plano não deu certo. Essa pessoa revelou o plano para o próprio Betinho, dizendo que Fernando foi contratado por Ronaldo para executá-lo.Fernando acabou sendo morto pela própria organização por não ter conseguido matar Betinho. O motorista dele sofreu uma tentativa de homicídio.”O Valdevar auxiliava a quadrilha vazando informações passadas pelo próprio Betinho sobre sua rotina”, acrescenta o titular da DHBF, o delegado Moyses Santana. “O Dedinho está preso temporariamente e vai responder pelo crime de homicídio e as investigações continuam para apurar o envolvimento de outras pessoas e mais detalhes do plano”.

Dedinho foi encontrado em casa – Reginaldo Pimenta / Agência O Dia

AS BUSCAS

Dedinho recebeu os agentes, que também fazem buscas e apreensões em sua casa e encontraram cadernos com anotações. Eles também procuram por provas no gabinete do político, na Câmara de Vereadores.Os policiais também estão em Duque de Caxias, ainda na Baixada; na Penha, Marechal Hermes e Vila da Penha, na Zona Norte da capital.

AS INVESTIGAÇÕES

As investigações começaram no ano passado, quando, em uma operação a Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), foi apreendido um caderno de Ronaldo com anotações no Complexo da Penha. Nele, havia informações sobre o planejamento do crime contra Betinho.De acordo com a Polícia Civil, durante as investigações, ficou claro que a organização criminosa criada por Dedinho comprova a existência de um problema antigo na Baixada Fluminense, onde matadores de aluguel organizam escritórios do crime para neutralizar rivais políticos.

O advogado do presidente da Câmara, Odair Lima, com o titular da DHBF – Reginaldo Pimenta / Agência O Dia

DEFESA

O advogado de defesa de Dedinho, Odair Lima, disse que a investigação da Polícia Civil não tem “nexo”.”A comunidade sabe que ele é da paz e atuante e todos da cidade gostam dele. Ele é candidato a prefeito de Nilópolis e (a partir de agora) haverá denúncias falsas. São denúncias falsas que não existem e não há provas. Ele não mata nem uma barata. Desafeto político todos têm, mas não há nada de fato. Quando você trabalha para o povo você tem desafetos”.

Por RAFAEL NASCIMENTO / ODIA


Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.