Prefeitura comunica corte de ponto dos profissionais em greve Corte já inclui os 11 dias de paralisação

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Prefeitura acaba de convocar os profissionais da educação, inclusive das creches, em greve desde o dia 31 de julho, para abertura das unidades nesta segunda-feira (14/08) e a retomada das aulas em todo o município.

No comunicado, enviado à imprensa, a Secretaria de Educação anuncia o corte de ponto de todos os profissionais em greve, inclusive as merendeiras e demais profissionais de apoio. Reitera ainda que haverá contratação de professores temporários e suspensão das férias de janeiro para a reposição das aulas.

Confira na íntegra a nota enviada pela Prefeitura:
“A Prefeitura está convocando diretores de escolas para que abram todas as unidades, inclusive creches, a partir desta segunda-feira (14.08) com a retomada das aulas em todos os turnos e nos horários previstos. Os professores também estão sendo convocados a retomar as atividades e terão os pontos cortados pelos dias ausentados, assim como merendeiras e demais profissionais de apoio, que devem estar em seus postos.

O corte de ponto inclui os 11 dias de paralisação a partir do dia 31 de julho quando o movimento grevista foi deflagrado. Ao anunciar o corte de ponto de professores e pessoal de apoio em greve, a prefeitura também reitera que haverá contratação de professores temporários e ainda suspensão das férias de janeiro para a reposição das aulas.

Diretores que não cumprirem a determinação da prefeitura vão responder a sindicâncias e estarão sujeitos a penalidades. A Secretaria de Educação vai proceder vistoria diária e em todos os turnos em todas as escolas e requisitar os livros de ponto.

O corte de ponto é conseqüência da intransigência dos grevistas. O governo já assinalou em diversas reuniões que o reajuste salarial de servidores não é possível diante da crise financeira deixada por gestões passadas. O corte de ponto do servidor grevista foi validado pelo Supremo Tribunal Federal, decisão que respalda o município.

Os professores temporários que serão contratados serão pagos com os recursos do ponto cortado dos grevistas. A prefeitura também vai contratar pessoal de apoio temporário para zeladoria e para a merenda. A quantidade de temporários vai ser definida nesta segunda-feira (13.08) depois de a Secretaria de Educação levantar a quantidade de faltosos e quais as escolas precisam ter temporários direcionados.

A Prefeitura ingressou com ação no Tribunal de Justiça do Estado para a retomada das aulas e aguarda decisão favorável à medida judicial. Ao ingressar com ação na Justiça, o entendimento é que houve violação na legislação uma vez que a Educação é considerada serviço essencial.

Na véspera do início da greve a atual gestão depositou R$ 48 milhões da folha de pagamento de julho e ainda 25% do 13º salário. O governo pontua que o esforço é manter os salários em dia frente a uma folha de pagamento que chega a R$ 525 milhões anualmente.

A atual gestão mostrou ainda aos servidores, ao longo da negociação, que do pagamento já efetuado de R$ 81 milhões de dívidas deixadas por gestões passadas, R$ 68 milhões correspondem à quitação de direitos trabalhistas atrasados de servidores como FGTS, PIS e Pasep, empréstimos consignados e também salários atrasados.

A prioridade do governo vai continuar sendo manter os salários em dia dos servidores ao contrário de muitas cidades fluminenses que estão com pagamentos atrasados e recolhimentos trabalhistas deixando de ser feitos”.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.