“Na minha primeira visita à Casa da Acolhida encontrei um menino arredio e muito sofrido, a história de vida dele me marcou. O que mais me deixa feliz é ver que, ao longo desse ano, ele apresentou um grande progresso e revelou uma pessoa maravilhosa dentro dele. Ele só precisava de um pouco de amor, afeto e compreensão para transformar a vida dele e criar uma perspectiva de um futuro melhor”, emociona-se Katia dos Prazeres, diretora do Departamento de Proteção Social Especial da Secretaria de Assistência Social, ao relembrar o início do trabalho da prefeitura com as Casas de Acolhida.

De janeiro a novembro, o município conseguiu a reintegração de 3 meninos e 4 meninas junto às suas famílias. Atualmente, há seis meninos e seis meninas de 12 a 17 anos que estão abrigadas temporariamente nas Casas de Acolhida por estarem em risco social.

Em parceria com o Juizado, Vara da Infância e Conselho Tutelar, a prefeitura acompanha as famílias de vítimas de violência doméstica ou negligência e reforçam a importância do convívio familiar no processo de acolhida e cuidados psicológicos prestados a essas crianças e adolescentes.

A secretária de Assistência Social, Denise Quintella reforça que as reuniões e acompanhamento das famílias continuarão para contribuir que mais crianças retornem para os seus lares.

“Nossa equipe é composta por psicólogos, pedagogos, assistentes sociais, educadores, além de auxiliar de serviços gerais, administrativo e cozinheira. Ao chegar a uma das casas, a criança recebe todos os cuidados necessários para sua adaptação. São fornecidas roupas, kit de higiene pessoal além de todo o acompanhamento psicológico e assistencial”, explica Denise Quintella.

Enquanto a criança está acolhida, a equipe da Assistência Social articula os serviços necessários para que a família de origem solucione a situação que motivou a medida protetiva.

“A medida protetiva é determinada pelo Juizado da Infância e Juventude e executada até que seja possível a reintegração familiar Temos crianças que estão conosco há 3 anos. São crianças e adolescentes que precisam de afeto, carinho e atenção”, afirma Denise Quintella.

Investimento no futuro das Crianças e Adolescentes

 A Casa da Acolhida dos Meninos e a das Meninas tem capacidade para atender até 20 jovens em cada unidade, com idades entre 12 e 17 anos. São pessoas que tiveram os vínculos familiares rompidos, cujas famílias ou responsáveis encontram-se temporariamente impossibilitadas de cumprir sua função de cuidado e proteção. A coordenadora da Casa das Meninas Mirene de Abreu Ximenes relembra que em janeiro o prefeito Bernardo Rossi doou um carro para assistência das crianças.

“Essas crianças e adolescentes precisam de cuidados. São menores atendidos pela Prefeitura, que têm necessidades desde as mais básicas, como ir ao médico, até as mais complexas, como as que envolvem o trabalho de reintegração com as famílias e também atividades que possam proporcionar momentos de cultura e lazer. O carro nos auxilia muito nesse processo e também nos cursos realizados por eles fora das casas”, destaca.

O coordenador da casa dos meninos, Antônio Carlos Jerônimo explica que além do reforço escolar, a Secretaria de Assistência vem oferecendo cursos profissionalizantes, de artes, além da possibilidade de participação de concursos e torneios.

“Desde que entrei eu nunca desisti de nenhum deles. Temos um menino muito talentoso que hoje está matriculado em um curso de artes e pintura de tela. Um dia faremos uma exposição com o trabalho dele. Ele já ganhou um concurso de fotografia no início do ano. Há ainda outro garoto que foi reintegrado recentemente e hoje disputa a Copa Rio de futebol junto aos grandes times do Estado. Vamos verificando as aptidões de cada um e além de cursos profissionalizantes, investimos nos talentos deles e assim conseguimos mudar a realidade em que vivem”, afirma.

Denise Quintella anuncia ainda que fará uma festa de Natal unindo todas as crianças na próxima semana.

“A nossa equipe se reuniu para apadrinhar as crianças, fizemos uma lista de presentes com eles e cada um vai dar um item. Teremos uma festa de Natal na semana que vem e no dia de Natal, as crianças que forem liberadas irão para casa de familiares as que não puderem irão para casa de um educador. Todos serão amparados neste Natal”, disse.