O prazo para o cadastramento do programa habitacional do município foi prorrogado para esta quarta-feira (28.11). Os atendimentos continuam na sede da Defesa Civil, das 9h às 17h. O endereço é Rua Buarque de Macedo, 128 – Centro. Desde segunda-feira (26.11), a Prefeitura faz a atualização dos dados das 1.296 pessoas que perderam ou tiveram suas casas interditadas em decorrência das chuvas. A ampliação do período pretende garantir que as pessoas consigam comparecer ao chamamento.

O levantamento da Secretaria de Assistência Social é voltado para as 1.028 unidades habitacionais, do programa Minha Casa Minha Vida, com construção pré-aprovadas para o município.“Essas novas unidades habitacionais vão contemplar uma boa parcela da população que espera por moradia. É uma grande conquista para a nossa cidade”, destaca o prefeito Bernardo Rossi. De acordo com a secretária de Assistência Social, Denise Quintella todas as pessoas que perderam suas casas durante os desastres das chuvas, devem comparecer.

Inicialmente, o chamamento focou pessoas com laudos da Defesa Civil do período de 2006 a 2013, mas pessoas que tenham perdido suas casas em outro período também podem comparecer. “É importante que pessoas que tenham sofrido com as chuvas, em qualquer época, se apresentem para que possamos avaliar cada caso”, destaca a secretária. Nestas segunda e terça-feira (26 e 27.11) os atendimentos foram feitos no Theatro D. Pedro II, das 9h às 19h. “Nesses dois dias ampliamos o horário de funcionamento para que pudéssemos atender o maior número de pessoas”, destaca Denise.

Para fazer o cadastramento ou a atualização dos dados, é importante que as pessoas compareçam munidas dos documentos, Identidade e CPF, comprovante de residência e o laudo da Defesa Civil com o registro da ocorrência nas residências.

A revendedora Lilian Maria da Silva Félix, 40 compareceu ao Theatro D. Pedro nesta terça-feira (27.11) depois de ver o seu nome na lista. Há 19 anos moradora do bairro Siméria, foi vítima das chuvas de 2016, quando parte de sua casa foi afetada por deslizamento e enchente. “Tem sido muito difícil, toda vez que chove ficamos com medo de algo acontecer. Não temos como comprar uma casa ou pagar um aluguel. Estou muito esperançosa de que vou conseguir minha casa”, destaca Lilian.