Foto: Divulgação/ASCOM

Prefeitura de Petrópolis implanta protocolo de acompanhamento a pacientes no Centro de Saúde

Entrega de bolsas de colostomia para tratamento mensal passa a ser feita de 8h30 às 19h30.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O novo protocolo de acompanhamento de ostomizados no Centro de Saúde Coletiva Professor Manoel José Ferreira passa a contar com equipe multidisciplinar composta por médico, enfermeiro, assistente social, nutricionista, psicólogo e fisioterapeuta. Além disso, a cada dois meses, os profissionais de enfermagem farão atendimentos de rotina, a partir de agendamento prévio. A mudança visa melhorar as condições de atendimento e consequentemente, a qualidade de vida dos pacientes.

“Esse novo protocolo vai qualificar o atendimento destes pacientes, que passam a contar com uma equipe especializada voltada exclusivamente às necessidades dos pacientes ostomizados”, explica o prefeito interino, Hingo Hammes.

Entre as alterações, está o novo protocolo para a entrega de bolsas de colostomia, que teve ampliação do horário para retirada, que pode ser feita das 8h30 às 19h30 de segunda a quinta-feira, e de 08h30 às 17h30 as sextas-feiras. Os pacientes receberão o material em quantidade suficiente para um mês de tratamento e não mais de forma fracionada.

O secretário de Saúde, Aloisio Barbosa da Silva Filho destaca o trabalho minucioso realizado para a adequação do serviço para as necessidades específicas dos pacientes atendidos pela rede pública. “Fizemos levantamento de todas as necessidades e reestruturamos todo o serviço. Esse é um trabalho contínuo”, pontua o secretário.

A modelista Sônia Assumpção, de 49 anos, faz acompanhamento no Centro de Saúde há cerca de um ano. “Nos últimos meses é perceptível a mudança no atendimento. Antes era um pouco mais complicado porque tinha que ir duas vezes buscar as bolsas, isso sem falar quando não tinha as bolsas. Com a nova gestão estou me sentindo muito acolhida, principalmente com a mudança de atendimento com os médicos”, conta a paciente que teve câncer no intestino em 2019 e passou por vários procedimentos até chegar à colostomia definitiva. “A colostomia foi um mal necessário para salvar a minha vida. Eu fui super acolhida pelos enfermeiros e médicos que me ajudaram a entender e lidar com essa nova vida”, pontua.

O Centro de Saúde conta com 261 pacientes ostomizados. Desse total, 189 fazem retirada mensal de bolsas de colostomia na unidade, entre homens, mulheres e crianças. “São pessoas que precisam de bolsas específicas e que passarão a receber o material adequado às necessidades”, explica Aloisio, ressaltando que os profissionais da unidade passam por qualificação permanente para garantir o atendimento de qualidade aos pacientes.

Pacientes ostomizados precisam de cuidados frequentes

A ostomia é um procedimento cirúrgico realizado no aparelho digestivo ou urinário, que tem como objetivo criar um desvio dos conteúdos que passam por estes sistemas para o meio externo, para serem recolhidos por uma bolsa coletora. A ostomia promove uma ligação do intestino ou da bexiga urinária, conforme o caso clínico, até uma abertura na parede abdominal.

Após a recuperação da cirurgia, os pacientes devem usar reservatórios adequados para a bolsa, que ficam aderidos à pele e são fáceis de trocar quando necessário. Nem sempre a adaptação é fácil, e os pacientes podem ter problemas psicológicos e sociais. Por isso o acompanhamento de forma humanizada”, explica a enfermeira Erica Wendling.

A bolsa de colostomia é um aparelho médico, utilizado em pacientes que realizaram a cirurgia de Colostomia que consiste na abertura do cólon (parte longa do intestino grosso) através da parede abdominal. Dessa forma, a parte final do intestino grosso é retirada. Esse mecanismo, é realizado em pessoas que sofrem de doenças inflamatórias no intestino, câncer intestinal ou alguma doença que exige a amputação do reto. A bolsa de colostomia é um saco coletor, que pode estar localizado ao lado do abdômen, exercendo a função de receber as fezes ou a urina.

A enfermeira ressalta que há uma série de indicações para os pacientes no cuidado com a bolsa. Os pacientes atendidos no polo de ostomia, no Centro de Saúde, são encaminhados pelo médico responsável. Em seguida é realizado o cadastro, acolhimento e agendamento da consulta de enfermagem. A partir daí são identificadas as necessidades das pessoas, tanto de equipamentos, como de atendimento pela equipe.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.