Prefeitura de Petrópolis deposita nesta quarta-feira o 13º dos servidores

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Com um esforço financeiro e uma política austera de contingenciamento de gastos, a prefeitura deposita nesta quarta-feira (20.12) R$ 4,3 milhões nas contas dos seus 12 mil servidores, aposentados e pensionistas. O valor corresponde a mais uma parcela de 12,5% do 13º salário deste ano e soma-se a outros R$ 13 milhões já depositados – R$ 4,3 milhões (12,5%) no dia 30 de novembro e R$ 8,3 milhões (25%) antecipados aos servidores em julho. A Secretaria de Fazenda trabalha ainda para depositar no último dia útil do mês os salários de dezembro dos servidores públicos. O prefeito Bernardo Rossi lembra que 22 cidades fluminenses estão com as folhas de pagamento atrasadas e que esta semana a prefeitura do Rio, por exemplo, alterou o calendário de pagamento dos servidores, que passarão a receber somente no 7º dia útil do mês.

“O 13º salário de 2016 foi arrestado pela Justiça e tivemos de pagar esta conta em 2017. E o compromisso era não deixar que o salário dos servidores atrasasse sequer um dia. Cumprimos ao longo do ano e a expectativa é de quitar os 50% do abono de final de ano até o dia 25 de janeiro. Os salários de dezembro serão depositados no dia 28”, anuncia o prefeito Bernardo Rossi.

O desafio da atual gestão tem sido equacionar as contas, uma vez que o atual governo está arcando em 2017 com 14 folhas de pagamento, considerando que a atual gestão precisou quitar salários de dezembro de 2016 de funcionários do Hospital Alcides Carneiro, que deixaram de ser quitados à época e ainda que o atual governo precisou repor valores referentes a arrestos judiciais para pagamento de 13º do ano passado – R$ 16,8 milhões que foram retirados de áreas importantes, como a compra de merenda escolar. A folha de pagamento da prefeitura alcança em 2017, R$ 490 milhões, considerando o 13º salário desde ano e ainda o 13º atrasado do ano passado.

“Enfrentamos um ano muito difícil. A economia nacional não vai bem e em Petrópolis a situação é agravada pelo montante de R$ 766 milhões em dívidas acumuladas pelas gestões anteriores. O parcelamento de parte destas dívidas consome R$ 8,5 milhões por mês – um impacto de R$ 102 milhões por ano nas contas. Todos os esforços estão sendo feitos para mantermos em dia o pagamento dos servidores, o que é uma prioridade para o prefeito Bernardo Rossi”, afirma o secretário de Fazenda Heitor Maciel Pereira.

Além de repor o valor dos arrestos judiciais, a atual gestão quitou R$ 3,9 milhões em parcelas de empréstimos consignados e faturas no cartão Sisep– valores que no governo passado foram descontados nos contracheques dos servidores, mas não foram repassados aos bancos e ao Sindicato, o que impediu, por exemplo, que servidores tivessem acesso a linhas de crédito bancários e em casos mais graves levou servidores a terem os nomes incluídos em cadastros de restrição ao crédito (SPC e Serasa).

No dia 5 de outubro o prefeito Bernardo Rossi anunciou um pacote de austeridade que cortou entre 40% e 10% os salários do prefeito, vice prefeito, secretários e cargos comissionados. O pagamento dos comissionados também passou a ser feito no quinto dia útil. Paralelo a isso uma reforma administrativa foi implementada, cortando 278 cargos no início do ano.

Em dívidas de administrações passadas, a prefeitura quitou à vista R$ 28 milhões. Deste montante eram de salários e 13° salário do Hospital Alcides Carneiro de 2016, valor de R$ 3,6 milhões e mais R$ 3,9 milhões de empréstimos consignados dos servidores descontados dos funcionários e que deixaram de ser repassados aos bancos.

Mais R$ 258 milhões em dívidas foram parceladas – uma despesa mensal de R$ 8 milhões, só em pagamento de dívidas – entre os quais R$ 25,4 milhões referentes a serviços prestados pelos Hospitais Santa Teresa e Clínico de Corrêas, Centro de Tratamento Oncológico (CTO) e UPAs, além de fornecedores de remédio, exames, merenda e outros itens básicos. As despesas do município este ano, chegam a R$ 954 milhões contra uma arrecadação de R$ 783 milhões.

“Nosso governo vem concentrando todos os esforços na redução de gastos – isto está sendo feito em todas as secretarias – para que possamos manter em dia o pagamento dos salários dos nossos servidores. Sabemos o valor que o trabalho de cada uma destas pessoas tem para o funcionamento da cidade e a importância disso para o cidadão petropolitano”, considera o prefeito

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

4 Comentários
  1. Maria Angélica Diz

    Prefeito ridículo!!! Para essa palhaçada de luzes,parada,e sei lá mais o quê,ele teve dinheiro!!!! Nunca fiquei sem esse dinheiro,sou aposentada e esse é sem dúvida,o pior de todos.Superou o Rattes!

  2. Gecilane Carvalhaes Diz

    Pra quem ganha bem, receber 12,5 % é ruim mas não faz muita falta. Mas para a maioria que ganha entre 1.100,00 e 1.400,00 esse dinheiro não dá pra nada. O que que é 130,00 de décimo. O natal de muitos como o meu vai ser ruim. Esse é o pior ano da minha vida desde que comecei a trabalhar.os outros roubam e como sempre os servidores é que pagam a conta.

  3. Taís Colombo Diz

    Matéria tendenciosa e título enganoso…. PARTE do 13° somente. Vergonhoso.

  4. Luis Eduardo Fernandes Diz

    Parabéns ao Prefeito é sua equipe pela transferência, é assim que se governa uma cidade, é evidente que muitas pessoas não consegui entender esse plano austero, na verdade é cultural as pessoas terem uma visão imediatista sem cogitar no futuro, mas vcs estão se empenhando a fim de honrar não só o salário mas também manter o equilíbrio financeiro Municipal.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.