Documento que servirá de parâmetro para quem for construir calçadas em Petrópolis para atender pessoas com deficiência, idosos, grávidas e pessoas com mobilidade reduzida, a primeira versão do manual de calçadas acessíveis foi discutido pela prefeitura nesta segunda-feira (18.06) em reunião com representantes da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP). Durante a apresentação foram propostas adequações ao manual, que está sendo construído pelo município com apoio da ABCP em parceria com a Firjan.

Alguns pontos que serão observados para construção de calçadas são o patrimônio histórico em algumas áreas do município, a topografia acentuada e as formas de fiscalização. O documento apresenta conceitos como a calçada ideal e a realidade de Petrópolis hoje. Também coloca quais são os materiais e o mobiliário urbano que podem ser usados nas calçadas – inclusive vegetação. Todos os pontos são destacados tecnicamente.

“A ideia é construirmos um manual que estabeleça quais são as regras básicas do jogo para, a partir disso, ir construindo as adequações para tornar as calçadas ainda mais acessíveis para todos”, afirmou o arquiteto do escritório regional da ABCP, Luiz Gustavo Guimarães.

Um dos pontos destacados é a inclinação das calçadas, para que sejam construídas de forma que não permitam poças de águas após chuvas, que pode ser de 1% até 3%. Os protetores de calçadas também serão padronizados, na tentativa de fazer com que não sejam utilizados qualquer objeto para, por exemplo, impedir o estacionamento irregular. O piso tátil, que será direcional ou de alerta, dependendo do espaço.

Outra ideia que será discutida é a criação de algum mecanismo de certificação das empresas que fornecerem materiais adequados e necessários para a construção de calçadas acessíveis.

“Dessa forma o interessado terá à disposição uma relação de empresas atendem tecnicamente ao que é exigido pelo manual para se ter uma calçada que seja acessível para todos. Mostra uma sinergia entre o desenvolvimento econômico e o planejamento do município em respeito com o público. Fica bom para todos: para a empresa, que será certificada, para o cidadão, que saberá onde vai encontrar esses materiais, e para o município, que terá a calçada construída com materiais corretos”, destaca o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Roberto Rizzo.

Para chegar ao documento apresentado nesta segunda, o grupo formado por representantes de CPTrans, Secretaria de Obras, Controladoria, Secretaria de Educação, Defesa Civil e Gabinete da Cidadania, entre outros, vem se reunido quinzenalmente. Antes, houve experiências de campo em que eles, que vivenciaram por um dia a realidade enfrentada por cadeirantes e pessoas com deficiência visual para entender a necessidade deles. Agora o grupo realizará os ajustes necessários para a versão final.