Preços abusivos nos postos de Petrópolis, assusta cidadãos em comparação a cidades próximas

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Uma questão que tem se levantado em meio aos petropolitanos, é o alto preço dos combustíveis, quando comparado com cidades vizinhas como Areal e Juiz de Fora. A alta dos combustíveis tem afetado o bolso do cidadão e isso tem causado certo transtorno na vida das pessoas.

Desde a greve dos caminhoneiros ano passado, a redução no valor do combustível direto na bomba foi de 0,40 centavos. Porém, ainda é bem pesado para os motoristas terem que conviver com esses valores altos.

A equipe do Procon Petrópolis vem a quatro meses trabalhando para resolver o preço da gasolina na cidade. Com o início dos trabalhos em novembro, o Procom notificou, recomendando aos responsáveis dos estabelecimentos, que acompanhassem a redução do preço junto à Petrobras. Foram realizadas duas fiscalizações, beneficiando diretamente o consumidor.

De acordo com Bernardo Sabrá, a equipe do Procom participou de duas reuniões com a ANP e afirma: “hoje temos um entendimento amplo sobre os fatos e podemos apontar de maneira precisa para os órgãos competentes aonde se encontra o verdadeiro problema”, destaca Bernardo.

Segundo dados da última pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP) sobre os preços dos combustíveis em 32 municípios fluminenses aponta o preço da gasolina em Petrópolis, como sendo o segundo maior do Estado. No último levantamento, a cidade, que tem média de R$ 5,02 por litro, “perde” apenas para Angra dos Reis, e por apenas um centavo. A situação de Petrópolis – que conta com um valor 10% superior à cidade de Três Rios e 9% maior que o registrado na vizinha Teresópolis – chamou a atenção de autoridades.

O Procom Petrópolis em parceria com o deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB) oficiou a ANP e o Procon estadual, pedindo uma ação de fiscalização sobre os preços dos combustíveis. Em ofício, a ANP respondeu “que irá incluir a cidade de Petrópolis no planejamento das ações de fiscalização, que devem acontecer com a maior brevidade, assim que a Agência tiver o contingente necessário para a área”.

O Deputado Luiz Paulo destaca a grande diferença na cobrança do combustível em relação à cidades vizinhas. Segundo Luiz Paulo, “preços na cidade incompreensíveis! O preço alto dos combustíveis é mais um fator que aumenta o custo de vida da cidade, que já é alto”, destaca.

O Deputado ainda completou “o petropolitano tem um custo de vida altíssimo e um dos fatores que eleva é o preço dos combustíveis. Não pode o município, que está a 35 km da refinaria, ter um preço maior que Santo Antônio de Pádua, por exemplo, que está a 235km da Refinaria de Duque de Caxias”, concluiu.

A pesquisa da ANP em Petrópolis foi realizado entre os dias 11 e 12. Na pesquisa, os preços têm uma diferença de até 65 centavos, indo de R$ 4,77 (o menor valor, encontrado no Auto Posto Ônix 1243, no Quitandinha) e R$ 5,42, registrado pela ANP no Ipi Center, do Centro, no último dia 11.

Entre o menor e o maior preço, estão o Mercalub e o Barenco & Coelho, ambos da Posse, com preço de R$ 4,89; o Borracheiro e o Posto de Abastecimento, que cobrou R$ 4,91 no dia da pesquisa. Outros oito postos cobraram R$ 4,99: Posto Imperial de Petrópolis, no Bingen; Auto Posto Estrada Mineira e os dois postos União, de Corrêas; Auto Posto Vale do Samambaia; e Alcatraz, Bonsucesso e Posto Itaipava, os três no terceiro distrito. O Posto de Gasolina Bingen apresentou preço de R$ 5,04 e outras três unidades de abastecimento cobraram R$ 5,09 pelo litro da gasolina: Auto Posto Mecânica Coronel Veiga, BR Coronel Veiga e Maria Cumprida – de Araras. O Preditiva, do Centro, teve valor de R$ 5,19.

A equipe do Portal Giro entrou em contato com o Procom, pedindo mais esclarecimentos, mas até o fechamento dessa matéria, não recebemos a nota do Órgão responsável.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.