Foto: Reprodução Alerj

Postos de vacinação contra a Covid-19 poderão ser protegidos pela Polícia Militar

A medida estabelece que a permanência do agente nos postos de vacinação será vinculada ao planejamento prévio a ser elaborado pela Secretaria de Estado de Polícia Militar.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Lei 9.267/21, que autoriza o Governo do Estado a disponibilizar policial militar nos postos de vacinação estaduais e municipais, para garantir a ordem no local de vacinação, a segurança dos profissionais de saúde e a guarda das vacinas, foi sancionada pelo governador Cláudio Castro, e publicada no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (06/05).

A medida estabelece que a permanência do agente nos postos de vacinação será vinculada ao planejamento prévio a ser elaborado pela Secretaria de Estado de Polícia Militar. A quantidade de vacinas recebidas em cada unidade de saúde deverá ser verificada na entrega dos imunizantes e poderá ser acompanhada pelo policial de plantão presente na unidade de saúde, que deverá reportar imediatamente às autoridades competentes eventual discrepância no total das doses entregues. Em caso de descumprimento das medidas, os envolvidos poderão sofrer a aplicação de um processo administrativo.

O Poder Executivo poderá celebrar convênio com os municípios, nos moldes do Programa Estadual de Integração na Segurança (PROEIS). A norma é de autoria dos deputados Átila Nunes (MDB) e Vandro Família (SDD).

“As chamadas ‘vacinas de vento’ são indícios de um mercado ilegal de vacinas embrionário, que pode tornar-se um problema de segurança gigantesco, semelhante ao roubo de cargas. As vacinas podem valer muito dinheiro no mercado ilegal, dada a dificuldade de consegui-las”, justificam os autores.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.