Debatido nesta terça-feira (23.10) durante a Semana de Engenharia da UCP, o tema Transporte Coletivo reuniu cerca de 30 pessoas para debate do tema. Agora, as sugestões dos petropolitanos que participaram do encontro serão utilizadas para dar respaldo ao Plano de Mobilidade Urbana, que está sendo desenvolvido pela CPTrans. Nesta quarta (24), a partir das 19h, a companhia de trânsito convoca a população para tratar sobre Patrimônio Histórico e Feiras e, na quinta (25), no mesmo horário e local, o debate será sobre Cargas e Fretamento.

Durante a consulta pública sobre Transporte, foi apresentado um diagnóstico sobre o transporte público em Petrópolis, apresentando questões relativas às empresas de ônibus e o cenário externo que influência o sistema. Já a população destacou alguns pontos como primordiais como aumento na fiscalização do trânsito, quebra-molas, incentivo ao uso de bicicleta, readequação da localização de pontos de ônibus e táxis, além das melhorias nos ônibus e até a criação de faixas exclusivas para o transporte coletivo.

O diretor técnico e operacional da CPTrans, Luciano Moreira, destacou a importância do tema para o Plano de Mobilidade Urbana. “Esse, sem dúvida, é um dos temas de maior interesse para o público e debate-lo ajudará a compor o PlanMob, no que poderá afetar o dia a dia dos petropolitanos. O plano está sendo desenvolvido pela companhia, mas é tarefa de todos ajudar na sua composição demonstrando aspectos diferentes para que ele englobe e contemple as melhores ideias para a mobilidade da cidade”, destaca. Ele compôs a mesa ao lado do diretor financeiro da Companhia, Fabini Hoelz, a gerente do Setranspetro, Carla Rivetti e a representante do Comutran, Carla do Valle.

Durante a consulta foram disponibilizadas duas fichas técnicas. Uma sobre transporte coletivo de passageiros que apresentou dados estatísticos de acidentes de trânsito relativos a 2017, estimativa do número de habitantes que utilizam esse modal, além de total de quilômetros percorridos, o número de passageiros transportados e uma projeção para 2018. Essa ficha também apresentou uma análise qualitativa, que demonstra as vantagens e desvantagens, além de seus riscos e oportunidades.

Já a segunda ficha, sobre transporte público individual que destacou a atuação dos táxis do município, tanto os comuns, quanto os adaptados apontou desde que passam desde a frota na cidade até uma análise qualitativa sobre suas vantagens e desvantagens, riscos e oportunidades. Além disso, ações impactantes que estão sendo realizadas atualmente dentro deste tema também foi apresentada.

O estudante do 10 período de arquitetura e urbanismo da UCP, Luiz Guilherme da Silva Melo, acredita que os órgãos envolvidos na organização do trânsito direta ou indiretamente devem manter uma relação de proximidade com o ambiente acadêmico para que isso resulte em soluções para a mobilidade urbana.

“Quanto mais ideias forem discutidas, maior a chance de encontrar pontos que possam complementar e gerar projetos mais completos para a cidade. O conhecimento técnico da universidade pode ser acrescido com o conhecimento da realidade da cidade que os órgãos possuem. Acho que esse debate traz um pouco dessa visão de cidade. Espero que agora não só saiam ideias, mas projetos para serem implantados na prática”, pontuou Luiz Guilherme.

Compareceram na consulta pública o comandante da Guarda Civil, Jeferson Calomeni; o diretor administrativo e financeiro da Turispetro, Eduardo Sixel; diretor de turismo e eventos Marcelo Florêncio e o vereador Maurinho Branco, além de estudantes de engenharia e de arquitetura e urbanismo.

Discussão desta quarta-feira é sobre Patrimônio Histórico e Feiras

Temas fundamentais dentro do Plano de Mobilidade, a CPTrans realiza às 19h desta quarta-feira (19.10), consulta pública sobre Patrimônio Histórico e Feiras. O encontro está marcado no Campus Barão do Amazonas, da Universidade Católica de Petrópolis (UCP). O objetivo da Companhia de Trânsito e Transportes é reunir pessoas que têm a intenção de contribuir para melhorar a mobilidade do município para incluir dados pertinentes dentro do PlanMob.

Dentro do contexto de Patrimônio Histórico, a ligação com o PlanMob se dá devido às características de tombamento de Petrópolis, que requerem atenção especial tanto estrutural quanto nas alterações viárias a que estão relacionadas. Já às Feiras, se dão por conta dos bloqueios realizados no município para sua realização, como no Alto da Serra e no Centro, por exemplo, que impactam diretamente o trânsito em sua mediação.

O prefeito Bernardo Rossi destaca que o plano deve englobar todos os aspectos do município para que seja completo, contemplando, inclusive, as características que o diferencie de outras cidades. “Petrópolis é uma cidade única e suas peculiaridades devem ser levadas em conta quando discutimos a mobilidade urbana. São aspectos fundamentais para que possamos fazer um documento que tem tamanha a relevância para a nossa cidade”, destacou o prefeito.

Até a conclusão do Plano de Mobilidade serão discutidos os temas educação e segurança no trânsito, turismo e grandes eventos, transporte escolar, eixos de crescimento urbano, LUPOS e leis de planejamento. Após essas consultas, será realizada a primeira audiência pública, dando início a uma nova fase de elaboração do PlanMob.

“Depois das consultas por modal serão feitas novas consultas públicas, só que por eixos: infraestrutura de trânsito; operação de trânsito, que inclui segurança viária, fiscalização e uso do solo; além de acessibilidade universal e sustentabilidade ambiental”, explica o diretor técnico e operacional da CPTrans, Luciano Moreira.

Ao final dessas consultas, será feita mais uma audiência com a apresentação das propostas e, depois, a última etapa de consultas públicas ocorrem nos bairros. Pelo cronograma três consultas: a primeira inclui a área do primeiro distrito; a segunda, do segundo distrito e a terceira do terceiro, quarto e quinto distritos.