Vitória/ES - Polícia Civil do Espírito Santo faz paralização até a meia noite de hoje(8) em protesto ao assassinato de um investigador em Colatina e às más condições de trabalho. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Policiais poderão fazer curso de psicologia de emergência e desastres

Formação será oferecida pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública

O Ministério da Justiça e Segurança Pública está oferecendo o curso Psicologia das emergências e desastres, com o objetivo de preparar psicologicamente os profissionais de segurança pública para atuarem em situações de emergências e desastres, tanto no apoio às vítimas quanto a seus familiares, bem como para que esses profissionais aprendam a suportar os desafios e o estresse da atividade.

Segundo a pasta, o curso surgiu a partir de um aumento significativo de profissionais de segurança pública que precisaram se afastar de suas atividades laborais devido a problemas relacionados ao adoecimento mental. 

O conteúdo tem carga horária de 24 horas/aula pela metodologia de Ensino a Distância (EaD). Serão quatro módulos que vão abordar as fases de um desastre, os transtornos mentais associados a esses eventos, o emprego do método de triagem Start (Simple triage and rapid treatment, em inglês) em emergências com múltiplas vítimas, além da utilização de meios e suportes que auxiliem as vítimas física e psicologicamente. 

Os interessados em participar da capacitação devem, de acordo com informações repassadas pelo ministério, se cadastrar na plataforma Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp) para, em seguida, acessar a Rede EaD-Segen e realizar a inscrição. Para quem já é cadastrado no sistema, basta entrar no portal com login e senha. As inscrições estão abertas e o curso ficará disponível na plataforma durante todo o ano.

Fonte: Agência Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Sinal de televisão digital chega a 90% dos brasileiros

Segundo o edital do leilão do 5G, as empresas que tiverem lances vencedores nas frequências terão, como contrapartida, que arcar com os custos de transição para famílias de baixa renda que forem dependentes dos serviços atuais para captar sinais.