Polícia ambiental identifica corte de árvores sem licenciamento no São Sebastião, em Petrópolis

O Linha Verde reforça a solicitação para que a população continue denunciando crimes ambientais em todo o Estado do Rio através dos telefones 0300 253 1177 (custo de ligação local) e (21) 2253 1177, além do APP “Disque Denúncia RJ” disponível para celulares.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

No sábado (28), em cumprimento a ordem de policiamento a fim de averiguar denúncia encaminhada pelo programa Linha Verde (0300 253 1177) do Disque Denúncia, sobre extração irregular de árvores, policiais militares constataram crime contra a flora em uma área de 200 metros quadrados em Petrópolis, na região serrana do Rio.

De acordo com agentes da 5ª Unidade de Policiamento Ambiental, com a denúncia em mãos, procederam à Vila Fernando Weilemann, no São Sebastião, onde no local identificaram o corte e poda de árvores nativas do bioma mata atlântica. Durante diligências, os policiais não encontraram nenhuma placa indicativa de licenciamento e tampouco os responsáveis pelo ilícito. Por se tratar de uma infração ambiental de acordo com a lei 9605/98, a equipe se deslocou à 105ª DP, onde a ocorrência foi registrada.

O Linha Verde reforça a solicitação para que a população continue denunciando crimes ambientais em todo o Estado do Rio através dos telefones 0300 253 1177 (custo de ligação local) e (21) 2253 1177, além do APP “Disque Denúncia RJ” disponível para celulares. Por essa modalidade, o denunciante pode enviar fotos e vídeos, com a garantia do anonimato. É possível denunciar também através da página do Linha Verde no facebook, www.facebook.com/linhaverdedd ou ainda pelo site do Disque Denúncia (www.disquedenuncia.org.br). Lembrando que em todos os canais, o anonimato é garantido ao denunciante.

Fonte: Disque Denúncia

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.