Foto: Thais Magalhães/CBF

Pia Sundhage promete mudanças na seleção feminina contra a França

Brasileiras buscam 1ª vitória na história contra seleção anfitriã.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A seleção feminina de futebol terá mudanças na segunda rodada do Torneio Internacional da França. As brasileiras encaram as anfitriãs neste sábado (19), a partir das 17h10 (horário de Brasília), no estádio Michel D’Ornano, na cidade de Caen, na Normandia. Na última quarta-feira (16), no mesmo local, as comandadas de Pia Sundhage estrearam na competição amistosa empatando por 1 a 1 com a Holanda.

Na estreia, a treinadora escalou o Brasil com Lorena; Antonia, Tainara, Daiane e Fê Palermo; Duda, Luana, Kerolin e Ary Borges; Debinha e Geyse. As zagueiras Antonia e Daiane e a atacante Geyse – todas do Madrid CFF (Espanha) – são as que vinham atuando com mais regularidade dentre as 11. Na terça-feira (15), antes de enfrentar a Holanda, Pia já havia alertado sobre o estágio diferente das atletas, que jogam em diferentes lugares do mundo.

A zagueira Tainara, recém-contratada pelo Bordeaux (França), tinha apenas três jogos no ano antes de integrar a seleção brasileira. A volante Luana, que passou nove meses tratando uma lesão no joelho esquerdo, voltou aos gramados recentemente e atuou somente duas vezes em 2022 pelo Paris Saint-Germain (França), sempre saindo do banco. A goleira Lorena (Grêmio) e as meias Duda (Flamengo) e Ary Borges (Palmeiras) estiveram em campo pela Supercopa do Brasil. Já a lateral Fê Palermo (São Paulo), a meia Kerolin e a atacante Debinha (ambas do North Carolina Courage, dos Estados Unidos) estão em pré-temporada.

Nomes como a zagueira Rafaelle, a lateral Tamires, a volante Angelina e a atacante Marta, normalmente titulares com Pia, iniciaram a partida anterior no banco. Das quatro, Rafaelle (quatro jogos pelo Arsenal, da Inglaterra) e Tamires (três pelo Corinthians) são as únicas que tinham atuado neste ano. Marta, do Orlando Pride (EUA), não jogava desde outubro e estreou em 2022 justamente contra a Holanda, entrando no segundo tempo e fazendo o gol brasileiro, de pênalti. Angelina, do OL Reign (EUA), ainda não foi a campo na temporada.

O confronto deste sábado (19) será contra um adversário indigesto. Em dez confrontos, o Brasil nunca venceu a França no futebol feminino. São cinco empates e cinco derrotas. Em 2019, na Copa do Mundo sediada em território francês, as anfitriãs eliminaram as brasileiras – então dirigidas pelo técnico Vadão – nas oitavas de final, ao vencerem por 2 a 1, na prorrogação. No ano seguinte, sob comando de Pia, a equipe canarinho perdeu das rivais por 1 a 0, na edição daquele ano do torneio amistoso organizado pelas francesas.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.