A Polícia Federal prendeu em flagrante dois funcionários de uma empresa fornecedora de “catering” para companhias aéreas que exercem atividade no Aeroporto Internacional Tom Jobim. A dupla furtava garrafas fechadas de bebidas e as revendiam ao proprietário de uma loja de manutenção de aparelhos eletrônicos localizada no bairro da Ilha do Governador. O dono da loja também foi preso na ação, ocorrida na tarde de sexta-feira (22). Foram apreendidos cerca de 470 vasilhames grandes e 1.900 vasilhames pequenos, todos ainda cheios e lacrados.

Os empregados presos, de 44 e 47 anos, trabalhavam como motoristas de caminhão tipo “galley” e operavam, principalmente, na chegada de voos internacionais no Galeão. Após o procedimento de acoplamento a aeronaves estacionadas no pátio, eles procediam à retirada dos carrinhos de alimentos e bebidas e os depositavam no baú próprio existente no veículo. Após, eles separavam os vasilhames ainda cheios e lacrados e os depositavam em sacolas plásticas, que eram então transferidas para seus veículos particulares, utilizados para efetuar a retirada das bebidas do aeródromo sem levantar suspeitas.

Policiais federais identificaram a atividade criminosa e acompanharam, de forma velada, quando os dois funcionários chegaram em carros separados a uma loja na Ilha e negociaram com o proprietário a venda das bebidas. Um deles levou 6 sacolas cheias e recebeu R$1050 pelo material; e o outro levou 5 sacolas cheias, recebendo R$950. Ao retornarem aos veículos, os policiais realizaram a abordagem e prenderam a dupla em flagrante. O dono do estabelecimento comercial, de 58 anos, também foi autuado em flagrante. No interior da loja, tanto nos fundos como na sobreloja, foram localizadas não só as sacolas levadas pelos presos, mas dezenas de outras sacolas semelhantes contendo diversas garrafas cheias e fechadas.

Os funcionários da empresa de catering foram indiciados por associação criminosa e furto qualificado. O dono do estabelecimento comercial foi indiciado por receptação de carga roubada e associação criminosa. Após os procedimentos de praxe, os três foram conduzidos ao presídio Frederico Marques, onde permanecerão à disposição da Justiça.

 

Fonte: Polícia Federal no Rio de Janeiro