Imagem: Reprodução

Petrópolis supera problema de armazenamento de lixo

O transbordo localizado no km 79 da BR-040 (Fazenda inglesa), que recebe cerca de 310 toneladas de lixo todo dia, funcionando de forma totalmente adequada após 20 anos e depois de passar por três administrações diferentes

Por Guilherme Campbell

A área operacional do transbordo, que é o local onde se realiza as atividades de carga e descarga do lixo, localizada no km 79 da BR-040 (Fazenda Inglesa) passa a funcionar de forma totalmente adequada após uma série de obras de realizadas pela PDCA – empresa local que opera o transbordo.

Depois de anos de descasos, Petrópolis dá um passo adiante graças aos esforços feitos nos últimos anos pela Secretaria de Meio Ambiente e pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) em fiscalizar e o orientar a PDCA na execução do projeto de adequação do transbordo, que foi acompanhado pelo Ministério Público Federal e pelos demais órgãos responsáveis.

Em 2017 com inserção da empresa no TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) foi firmado junto aos órgãos ambientais e MPF a empresa PDCA SERVICOS ltda, apresentou projeto junto as secretarias de meio ambiente e secretaria de Obras, onde ficou aguardando o alvará para o início da obra fato ocorrido em 17 de maio de 2019.

Atualmente o transbordo ocupa apenas cerca de 1,5 mil m² da área total do terreno, onde parte da área foi reflorestada e recebeu cerca de 1,5 mil mudas de espécies nativas, parte delas doadas pelo INEA. Buscando um desenvolvimento mais sustentável a implementação de painéis solares também entrou nas obras visando menor produção de carbono.

O progresso desse cenário mostra a união no município e o esforço da prefeitura, do Inea e da empresa privada em acabar com esse passivo ambiental que se estendia por mais de 20 anos. De 1997 até 2017 outras empresas assumiram a administração do transbordo, todas elas de fora da cidade de Petrópolis. Contudo, em 2017 a PDCA, empresa que administra e opera atualmente o ETR, assumiu e efetuou o processo de regulamentação do transbordo que até então permitia o contado do lixo direto com o solo.

Atualmente a área inferior, onde se manobram as carretas para que o lixo seja despejado sem contato com o solo, foi impermeabilizada com uma camada de 40 centímetros de concreto. A área operacional onde foi feito o transbordo do lixo também possui uma cobertura para impedir o contato de águas pluviais e uma tela para evitar que o vento arraste resíduos para a rodovia as obras também implementaram um sistema de drenagem em todo terreno.

O transbordo regulamentado e funcionando de forma eficiente resgata o compromisso com o meio ambiente. O avanço de Petrópolis em solucionar esse problema ambiental de forma rápida, prática e caseira com uma empresa de origem petropolitana leva a crer que outras soluções e serviços podem ser assistidos por outros tantos empreendedores de Petrópolis. Colocando a cidade um passo à frente dos novos desafios ambientais que surgem no Brasil e no mundo.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS/Lei nº 12.305), legislação que estabelece diretrizes para a gestão integrada dos resíduos no país, completou 10 anos em 2020. Apesar da existência da lei para coordenar a gestão do lixo, a resolução dos problemas causados pelo gerenciamento incorreto desses materiais ainda é bastante preocupante no país, Petrópolis se mostra como um exemplo nesse sentido devido aos esforços de todos os envolvidos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Petrópolis recebe vacinas CoronaVac e Oxford/Astrazeneca do Governo Estadual

As doses de CoronaVac são destinadas à aplicação da segunda dose do esquema vacinal pendente. O lote de Oxford/AstraZeneca também deve ser usado exclusivamente para segundas doses, mas direcionadas ao grupo de pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência permanente e outras pendências de segundas doses para essa vacina.