Petrópolis | Governo do Estado vistoria prédios tombados no município

Petrópolis é o município com mais prédios tombados do Estado do Rio.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O Governo do Estado vem realizando vistorias nos prédios históricos de Petrópolis, tombados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac). A ação conjunta entre Inepac e a Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (Emop-RJ), que teve prosseguimento nessa segunda-feira (21), faz avaliação dos imóveis para dimensionar os danos causados pelas fortes chuvas que atingiram a cidade.

– É nosso dever reconstruir o que foi danificado em Petrópolis. E o patrimônio público não pode ficar de fora. É a nossa história – declarou o governador Cláudio Castro.

Diretora do Inepac, Ana Cristina Carvalho explicou que Petrópolis é o município com mais bens móveis tombados pelo Instituto.

– Desde que o temporal diminuiu, nosso Escritório Técnico se mobilizou para começar o levantamento nas áreas mais afetadas – disse Ana Cristina.

A visita passou pelos reservatórios fluviais da companhia Águas do Imperador, que não foram prejudicados pelas chuvas, por algumas casas com fachadas tombadas, pelo Theatro D. Pedro e o Cine Petrópolis, que foram invadidos pela lama.

– O Governo do Estado está se mobilizando com todos os seus setores, seja o Inepac, a Emop ou mesmo o DER-RJ, para estabilizar o que está instável. Após a avaliação inicial, faremos um monitoramento e uma vistoria mais detalhada para termos diagnóstico mais preciso do que será necessário restaurar – contou Patrícia Hugueney, chefe do Escritório Técnico Regional Serrana do Inepac.

Não houve imóveis tombados que vieram abaixo. O caso mais grave aponta para uma ponte próxima ao Palácio de Cristal, que perdeu o seu guarda-corpo e precisará ser reconstruído. O Inepac faz o diagnóstico dos imóveis afetados e de possíveis áreas de risco, assessorando os responsáveis pelos imóveis nas obras que serão necessárias.

A Emop-RJ colocou arquitetos da empresa à disposição da ação. Foram enviados ainda quatro engenheiros de geotécnica da empresa, para levantamento técnico de áreas de riscos na cidade.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.