“Queremos buscar soluções para os conflitos e mudanças por meio da educação com o objetivo de buscar a inclusão e paz social”, foi assim que a coordenadora do Programa Municipal de Pacificação Restaurativa Petrópolis da Paz, Elsie-Elen Carvalho, definiu a finalidade do projeto de Mediação Comunitária, que acontece no município desde agosto de 2017 após uma iniciativa do prefeito Bernardo Rossi por meio da Lei n° 7.532. Hoje, três unidades de educação participam das ações: a Escola Municipal Liceu Carlos Chagas, a Escola Municipal Amélia Antunes Rabello e a Escola Municipal Governador Marcelo Alencar, totalizando mais de 300 pessoas entre alunos, profissionais da educação e familiares.

O programa possui três projetos: Mediação Escolar, Comunitária, que já começaram, e Justiça Restaurativa que inicia em agosto. A base do trabalho começa nas unidades de ensino, onde a equipe assiste e capacita os alunos e professores, de forma social e emocional. Os conflitos existentes são mediados e orientados pelos voluntários do programa, o que beneficia a organização da escola, onde os próprios alunos, através das ferramentas apresentadas pelo projeto, saberão resolver as questões.

“A ideia principal da Mediação Escolar é estimular uma atmosfera colaborativa nas escolas a partir da criação do hábito de diálogo e resolução de conflitos por meio de soluções apresentadas pelos próprios envolvidos e, portanto, principais interessados em resolvê-los. Espera-se que com a utilização da mediação de conflitos a cultura de paz seja difundida na escola,e na vida em sociedade”, define a pedagoga e psicóloga e responsável pelo Departamento da Mediação Escolar, Vanessa Siqueira.

A Escola Municipal Liceu Carlos Chagas foi a primeira escola a receber a capacitação do programa. Atualmente, 62 alunos entre 10 e 16 anos participam semanalmente dos encontros de mediação. “Aqui temos alunos de comunidades carentes. Acho importante a pacificação da escola. Com a Mediação Escolar os alunos aprendem sobre a convivência, isso melhora a relação entre eles e a relação na escola e alcança os familiares”, relatou o diretor da unidade, Marcos de Souza Machado.

Com o trabalho realizado nas escolas, os mediadores do núcleo sentiram a necessidade de estender o projeto até as comunidades. Entre agosto e setembro mais de seis Centros de Mediação Comunitária serão inaugurados na cidade. Os locais serão: Madame Machado, Oswaldo Cruz, Vila São José, Vila Rica e Unidos Venceremos. “Vamos empoderar os líderes e passar as ferramentas de mediação com a orientação do programa, para que o trabalho seja completo na escola, família e comunidade, com o objetivo final de paz social”, relatou Elsie-Elen.

O programa tem parceria com a Secretaria de Saúde e Gabinete da Cidadania, além do Tribunal de Justiça, Delegacias de Petrópolis, Conselho Estadual e Municipal de Segurança Pública, Procon, Conselho Tutelar e Universidades.