A Petrobras negou o aumento de 8,9% no preço do gás de cozinha para botijão de até 13 kg (gás liquefeito de petróleo – GLP). O boato tem sido compartilhado pelas redes sociais. O último reajuste no GLP começou a valer no dia 5 de abril, e as variações nos preços passaram a ser trimestrais em janeiro deste ano.

A política anterior, que autorizava revisões de preços para cima ou para baixo todo dia 5 de cada mês, foi suspensa devido ao forte impacto que vinha causando no preço final para os consumidores. Em 2017, o custo do botijão de gás acumulou uma alta de 16%.

Com a mudança nos reajustes, ficou decidido também que variações acima de 10% – para cima ou para baixo – precisarão de autorização do grupo executivo de mercado e preços da petrobras, formado pelo presidente e por diretores da companhia.

De acordo com a pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgada em 26 de maio, o preço médio do botijão era de R$ 58,89 em revendedoras da cidade do Rio. O preço mínimo encontrado era de R$ 50, em Bonsucesso, na Zona Norte, e o máximo, de R$ 75, em estabelecimentos de Campo Grande, na Zona Oeste.

Fonte: EXTRA