PETI Teresópolis promove treinamento para o combate infantil com as equipes dos CRAS

Durante o treinamento, além da apresentação detalhada do programa e suas funções, as equipes técnicas foram orientadas sobre as condutas que devem ser adotadas caso haja a identificação
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Na manhã da ultima sexta-feira, 11/02, a coordenadora do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), Oldaleia Mello, promoveu treinamento especializado com as equipes dos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS). Em pauta, o estabelecimento de uma conduta padrão nos casos de identificação de trabalho infantil. As coordenadoras e assistentes sociais receberam orientações sobre o acolhimento e acompanhamento das crianças incluídas no Programa. A capaci tação foi acompanhada pela subsecretária de Desenvolvimento Social, Iracema Toledo Braga.

O PETI é um programa de abrangência nacional, com caráter intersetorial, que atua com transferência de renda, trabalho social com as famílias e a oferta do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para as crianças e adolescentes que se encontram em situação de trabalho infantil, e faz parte da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS).

Durante o treinamento, além da apresentação detalhada do programa e suas funções, as equipes técnicas foram orientadas sobre as condutas que devem ser adotadas caso haja a identificação, por parte do CRAS, de crianças em trabalho infantil. Isto porque a equipe de abordagem enfrenta dificuldades para identificar corretamente os menores que, na maioria das vezes, fornecem informações incorretas para os agentes. Um fluxo de atendimento foi apresentado para estabelecer a função e o momento de atuação de cada equipamento da assistência social no atendimento ao menor e a sua família.

É considerado trabalho infantil toda atividade econômica, ou de sobrevivência, realizada por crianças menores de 16 anos que, pelas circunstâncias em que é executada, possa prejudicar o desenvolvimento físico, psicológico, social e moral da criança. A partir dos 14 anos já é permitido que o adolescente trabalhe, mas apenas na condição de jovem aprendiz.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.