Assessoria de comunicação do Museu Nacional

Pesquisadores descobrem incêndios na Antártica há 75 milhões de anos

O estudo traz novas evidências não só de que a Antártica há 75 milhões de anos era verde, como também sugere um clima mais quente para essa região no seu passado.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Pesquisadores de diferentes instituições brasileiras, em parceria com o Senckenberg Research Institute (Alemanha), apresentaram estudo inédito que confirma a ocorrência de incêndios florestais na Antártica há 75 milhões de anos.

A pesquisa, publicada nesta quarta-feira (20) na revista Polar Research, trata do primeiro registro de incêndios na Ilha James Ross, na península Antártica. A descoberta ocorreu durante uma expedição, entre 2015 e 2016, em afloramentos da Formação Santa Marta, unidade geológica que ocorre na parte nordeste da ilha.

Os fósseis coletados chamaram a atenção dos pesquisadores por serem fragmentos de plantas com características de carvão vegetal, mas estavam desgastados devido ao tempo de exposição.

O cenário branco e gelado comumente associado ao ambiente antártico nem sempre foi dessa forma. O estudo traz novas evidências não só de que a Antártica há 75 milhões de anos era verde, como também sugere um clima mais quente para essa região no seu passado.

Segundo os pesquisadores, as evidências fósseis de troncos e lenhos vegetais são encontradas por toda a Antártica, o que já indicava sua composição florestal durante o período Cretáceo [fase de tempo correspondente a 145 a 65 milhões de anos]. A novidade descoberta na pesquisa indica que essa vegetação também era acometida por incêndios espontâneos.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.