Perfil no Facebook promove Fake News e distorce conquistas promovidas pelo Sindicato dos Rodoviários

Sindicato rebate mentiras por meio de apresentação das Cláusulas da Convenção Coletiva.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Mais uma vez o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Petrópolis é alvo de inverdades que visam essencialmente prejudicar o trabalho cotidiano em prol da categoria.

Em mensagem publicada no Facebook sob o nome fantasia “Rodoviários de Petrópolis” o grupo que diz representar os trabalhadores, mas que jamais se apresentou formalmente, pontua que o Sindicato dos Rodoviários não forneceu o texto final estabelecido na Convenção Coletiva de março de 2021. Fato é que a Convenção de 2021 foi registrada no Ministério do Trabalho pelo advogado do Sindicato, Dr. João Fabre dos Reis, e a mesma está a disposição de todos para verificação desde julho do ano corrente no site do Ministério.

“Encontrar uma Convenção Coletiva, de qualquer categoria, disponível no site do Ministério do Trabalho é uma atividade consideravelmente simples. Basta o interessado acessar o site do Ministério digitando www.mte.gov.br em qualquer computador ou celular, clicar na aba Instrumentos Coletivos Registrados, incluir o número do CNPJ do Sindicato Trabalhador e baixar o arquivo. Caso o interessado não tenha o número do CNPJ do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Petrópolis, o mesmo pode ser solicitado por meio dos telefones oficiais do Sindicato ou em pesquisa pela internet através do buscador Google”, afirma Renato Bastos, contador do Sindicato.

Sobre a questão apontada na nota referente à 1hora de intervalo, de acordo com o Sindicato trata-se de mais uma inverdade que visa confundir o trabalhador. A postagem afirma que foi inventada uma tabela, mas a mesma veio com a intenção de facilitar a compreensão no processo de indenização de 30minutos diários referentes ao almoço.

O sindicato ressalta que todo motorista que trabalha 44horas semanais, num total de 220horas mensais, deve receber R$2.575,43 (dois mil, quinhentos e setenta e cinco reais e quarenta e três centavos), ou seja, o valor por hora trabalhada é de R$11,71 (onze reais e setenta e um centavos). Por meio da Convenção Coletiva o Sindicato dos Trabalhadores conquistou para os rodoviários, dois pontos muito relevantes sobre os intervalos intrajornada. O primeiro deles é que nenhuma pausa inferior a 05 minutos seja contabilizada como intervalo interjornada, a outra é que 30 minutos, dos 60 estabelecidos por lei, sejam indenizados.

“A questão do intervalo intrajornada desde o estabelecimento do Artigo 71 da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho – gera dificuldade na compreensão. Fato é que houve um momento em que às empresas de transporte rodoviário poderiam contabilizar cada minuto de intervalo intrajornada e não remunerar esse valor. Por conquista do Sindicato os intervalos só podem ser contabilizados a partir de 05 minutos e 30 deles são remunerados. E qual é essa conta? É complexa, mas dá pra entender. O valor da hora trabalhada é de R$11,71 (onze reais e setenta e um centavos). Como se trata de 30minutos remunerados, significa dizer que seriam R$5,85 (cinco reais e oitenta e cinco centavos), contudo, são adicionados nesse caso 50% de acréscimo, ou seja, mais R$2,92 (dois reais e noventa e dois centavos), de forma que os 30minutos de intervalo intrajornada indenizados passam a valer R$8,78 (oito reais e setenta e oito centavos) a mais, por dia trabalhado, para o motorista. É importante ressaltar que o valor dessa indenização para Motorista Júnior é de R$6,00 (seis reais) e para os cobradores de R$4,83 (quatro reais e oitenta e três centavos), visto que o salário base para o cálculo é diferente”, explica Edson de Oliveira, Presidente do Sindicato.

De acordo com o Sindicato, ainda na nota difamatória consta que na Convenção Coletiva o Sindicato deixa brecha para que profissionais sejam contratados como motorista júnior, outra mentira.

“A Cláusula Décima da Convenção Coletiva objetiva o desenvolvimento dos empregados integrantes da categoria que possuam carteira “D”, oferecendo nova perspectiva de trabalho e salário. De forma que se alguma empresa estiver contratando trabalhadores como Motorista Júnior, sem que este já esteja na folha de pagamento da empresa, trata-se de uma irregularidade que deve ser denunciada para que o Sindicato possa atuar diante da questão. Na Convenção Coletiva, no parágrafo sétimo desta mesma cláusula, esta detalhado que todo empregado promovido à categoria motorista, que for dispensado de uma empresa, somente poderá ser admitido em nova empresa na função de motorista”, sinaliza Edson.

Ainda com relação à função de Motorista Júnior o Sindicato explica que a alteração de categoria de Motorista Júnior para Motorista, não se trata de uma promoção imediata, mas de uma conquista profissional por meio de avaliação, por parte da empresa contratante e que os critérios da avaliação são definidos pela empresa. “Os três meses apontados na Convenção Coletiva, após os 12 meses de contrato como Motorista Júnior, devem ser utilizados pelas empresas apenas para os trabalhadores que, no processo de avaliação para alteração de categoria, não tenham conseguido a promoção, por terem sido reprovados nos testes das empresas. Neste período, ou seja, nesses três meses após a primeira avaliação, o trabalhador se mantem na sua função e após esse período passa por nova avaliação de alteração de categoria, não havendo a necessidade de demissão, visto que não pode haver permanência nesse cargo após 12 meses”, esclarece o presidente do Sindicato.  

Com relação à outra nota mentirosa sobre as cestas básicas, é importante ressaltar que as mesmas são pagas até o dia 15 de cada mês, sempre referente ao mês anterior. Ou seja, os valores recebidos no mês corrente de setembro, são referentes à agosto, de forma que o valor da cesta básica a ser repassado para os trabalhadores é de R$330,00 (trezentos e trinta reais) e que deve ser alterado para R$380,00 (trezentos e oitenta reais) neste mês, sendo recebido pelos trabalhadores em outubro.

Por fim, toda diretoria e equipe do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Petrópolis se colocam à disposição dos trabalhadores para esclarecimentos.

Mais informações podem ser obtidas na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Petrópolis que fica localizadoàRua Visconde de Souza Franco, 121 – (25025-281) Centro – Petrópolis/ RJ, através dos telefones (24) 2242-5656, (24) 2235-7466 e (24) 98832-7068, e agora também do site www.sindrodoviariospetropolis.com.br, do Facebook https://www.facebook.com/sind.rodoviarios.petropolis e do Instagram https://www.instagram.com/sindrodoviariospetropolis/.

Fonte: Divulgação

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.