Edson Arantes do Nascimento estreou pela seleção brasileira com apenas 16 anos, justamente contra os Hermanos, em julho de 1957, bastando apenas um toque na bola para marcar o primeiro dos seus 95 gols com a Amarelinha. Diego Armando Maradona vestiu a camisa do seu país como jogador profissional com a mesma idade que Pelé, portanto 20 anos depois – em 1977. Só não igualou outro recorde, este como mais novo a levantar a taça de campeão do mundo, por escolha do então treinador César Menotti.

Enfim… Um encontro no Copacabana Palace, no dia 09 de abril de 1979, permitiu que os dois maiores ‘camisa 10’ das Américas resenhassem em clima cordial. Maradona estava dando os primeiros passos na carreira enquanto Pelé já estava consagrado na história. O Rei do Futebol aproveitou o momento para aconselhar o juvenil: “cuide do seu corpo.” Mal sabiam que nascia ali uma rivalidade histórica.

Haja vista algumas ponderações diante aos dois ídolos fica claro que discutir quem foi o maior faz parte apenas das discussões entre torcedores na mesa do bar. A torcida gosta das respostas polêmicas de grandes nomes – como a de Messi, em 2011. Entretanto os fatos mostram que o maior ídolo argentino não viu nem a sombra do brasileiro.

Ah… Pois bem. Antes que algum hater apareça, é preciso esclarecer que os dois são extremamente importantes para a história futebolística do país em que nasceram. Maradona pelo que fez em 1986 na seleção hermana, e também, pelos anos no futebol italiano. Pelé por ter desbancado Arthur Friedenreich, a primeira estrela do futebol brasileiro amador que durou até 1933.

Trajetórias dignas de camisas 10 (e faixas)

O Rei foi descoberto pelo ex-jogador Waldemar de Brito, quem o levou para o Santos, em 1956. Artilheiro desde cedo, marcou 36 gols com o manto santista no seu segundo ano como titular da equipe. Em oito anos na Vila Belmiro, Edson ainda conquistaria duas Libertadores e dois Mundiais de Clubes, nos anos de 1962 e 1963. Talvez o episódio mais marcante desta época tenha sido quando Pelé e companhia deram uma trégua temporária à guerra civil entre nigerianos e separatistas do Leste Africano, em 1969.

O mineiro da cidade de Três Corações (MG) marcou seu milésimo gol no Maracanã, palco da final desta Copa América – nada menos que o maior templo do futebol brasileiro. De acordo com o Guiness Book, Pelé é o maior artilheiro da história do futebol com 1.284 gols. Com a Amarelinha, foi tri-campeão da Copa do Mundo (1958, 1962, 1970). O ‘menino da Vila’ quase engrenou no meio político quando foi ministro do esporte, entre 1995 e 1998, no mandado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

No dia 30 de outubro de 1960 nascia Maradona, num subúrbio modesto de Buenos Aires. Titular precoce, jogou com apenas 15 anos no time titular do Argentino Juniors. Após o primeiro título da Argentina em Copas (1978), ‘Dieguito’ enfim voltaria à campo vestindo azul e branco, no Mundial sub-19 realizado no Japão – esse era o começo de uma idolatria que perdura até os dias atuais.

Com a braçadeira de capitão, ‘El Pibe de Oro’ liderou o grupo bi-campeão da Copa do Mundo, em 1986. Após passar por Boca Juniors (ARG) e Barcelona (ESP), viveu a melhor fase da sua carreira no Napoli (ITA), onde jogou entre os anos de 1984 e 1991. O craque argentino balançou as redes 345 vezes em toda a carreira. O camisa 10 abandonou os gramados por problemas extra-campo e, se aposentou no Boca, em 1997. ‘Dom Diego’ também esteve sob o comando da Argentina, entre 2008 e 2010.

Mandem sugestões ou críticas através do Instagram (@malheiroslife) ou do Twitter (@malheiroslife).