Pedro Thomé lança nova música em parceria com 48K

“Paralisa” foi escrita pelo próprio Pedro Thomé, junto a Lucas Thomé e Sabrina Lopés, e é uma faixa no estilo pop leve, mesclado com beats e bateria, que reforça ainda mais a identidade da música.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O cantor Pedro Thomé lançou hoje, 27 de agosto, sua nova música de trabalho “Paralisa” que conta com feat e produção do 48k.

“Paralisa” foi escrita pelo próprio Pedro Thomé, junto a Lucas Thomé e Sabrina Lopés, e é uma faixa no estilo pop leve, mesclado com beats e bateria, que reforça ainda mais a identidade da música.

“É aquela música pra colocar descendo pro mar, naquele dia bem vibe e alto astral. É sobre aquela pessoa que te paralisa, e quando você está junto parece que o tempo passa devagar e você não quer parar de olhar pra ela. Sensação boa, leve como a brisa que vem lá do mar.”, define Pedro Thomé.

Os números de ambos impressionam, já que Thomé ultrapassa os 10 milhões de streams nas plataformas digitais, e o 48k que além de ter mais de 4 milhões de streams, já produziu músicas para nomes como Mar Aberto e Bia Marques.

“Somos amigos do Pedro a muito tempo e trabalhar com ele é demais, sua voz é impressionante. Quando ele nos convidou para “Paralisa”, ficamos muito animados porque é um pop leve gostoso de escutar!”, comentou o 48k.

“Paralisa” já está disponível em todas as plataformas digitais, e encontra-se também na Playlist editorial “Pop Leve” do Spotify.

No mês de junho Pedro Thomé lançou a música “Decepção”, tendo uma ótima receptividade do público e mídia, o clipe que está em seu canal oficial do Youtube, conta com mais de 168 mil views.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Érico Moreira lança single para embalar o verão brasileiro

A música tem clima de verão, perfeita para embalar o calor que, em breve, volta com tudo nas terras tupiniquins. Com uma batida meio africana misturada com células rítmicas de maracatu, Quando a Maré Encher faz referência às lembranças da adolescência do artista em Paraty.

Comentários estão fechados.