A partir de outubro o calendário de pagamentos da prefeitura está sendo alterado para os cargos em comissão. Esta parcela de funcionários passa a receber até o quinto dia útil do mês subsequente ao trabalhado. “Esta é uma forma de mantermos inalterado o calendário de pagamentos de aposentados e pensionistas que permanecerá sendo o último dia útil do mês trabalhado”, frisa o prefeito Bernardo Rossi, anunciando um novo pacote de medidas austeras de economia:  revisão de contrato e alugueis e enxugamento de gastos com luz, telefone, combustível e outros itens.

“Precisamos apertar o cinto ainda mais. Em meio à crise, que não é apenas municipal, mas nacional, colocar contas em ordem, pagar e parcelar dívidas e avançar em serviços à população.  Mas, necessário enxugar ainda mais para “vencermos” os últimos meses do ano”, completa o prefeito Bernardo Rossi.

A prioridade da prefeitura é com o servidor público concursado, o maior patrimônio da administração e com a população.  “Estamos em esforço máximo para manter os salários do funcionário de carreira em dia. E pretendemos, com a mudança do calendário, assim continuar. É um desafio que queremos vencer”, completa o secretário de Administração, Marcus von Seehausen.

A prefeitura estuda ainda medidas ainda mais radicais para contenção e gastos como, por exemplo, a redução do funcionamento das repartições em uma hora. “O esforço é concentrado em manter postos  e hospitais funcionando, remédios  e exames e merenda nas escolas.  Conseguimos avançar em projetos recebendo recursos do governo federal e vamos manter a execução de obras e programas”, antecipa Bernardo Rossi.

O prefeito confia que as medidas irão ajudar o município a superar a crise econômica e com as contas reguladas fazer a cidade avançar. “Fizemos já quase o impossível que era sanear as contas. Tinha hospital deixando de atender, remédio faltando nos postos e criança comendo feijão com arroz nas escolas. Programas federais abandonados como Minha Casa Minha Vida e Pac das Encostas. São R$ 766 milhões de dívidas acumuladas e pelo menos R$ 100 milhões deste montante que pagamos por ano. Mas, mesmo assim reconquistamos os recursos e mantivemos serviços essenciais. O desafio agora é economizar ainda mais”, aponta.

Medidas de austeridade

  • Salários dos cargos em comissão pagos no 5º dia útil
  • Suspensão de diárias de viagem
  • Suspensão de horas extras (exceção da Saúde, Guarda Civil e Defesa Civil)
  • Corte de 40% de combustíveis
  • Corte de gastos em telefonia em 30%
  • Economia de energia elétrica em 20%