Festa de um lado, apreensão do outro. A vitória de 1 a 0, neste domingo, em São Januário, garantiu ao Palmeiras o décimo título brasileiro, com uma rodada de antecedência, e prolongou o drama do Vasco na luta contra o rebaixamento. Vascaíno na infância, Deyverson fez o gol do título e adiou o futuro do time do coração para o confronto com o Ceará, domingo, no Castelão.

A confiança do Vasco foi medida pela maciça presença de seu torcedor, que mais uma vez lotou São Januário. A uma vitória do título, o Palmeiras bem que tentou justificar a privilegiada situação na competição. Na briga na parte de baixo da tabela, o Vasco fez valer o peso de sua camisa em casa.

Assim, a pressão inicial do Alviverde perdeu força. Muito por conta da aplicação dos jogadores do Vasco na marcação e encaixe de contra-ataques, puxados por Thiago Galhardo e Pikachu, que teve boa chance de Pikachu para abrir o placar. De fora da área, Andrey também deu trabalho a Weverton.

A resposta do Palmeiras veio no venenoso chute de Bruno Henrique, rente à trave esquerda. Jogando junto com o time, o torcedor vascaíno não deixou de cobrar e cantar: “Ei, Vasco, vamos jogar”. O aplauso para os jogadores ao fim do primeiro tempo foi o agradecimento pela entrega que ‘segurou’ o líder do Brasileiro.

A irritação de Felipão à beira do gramado mudou a postura da equipe paulista na volta do intervalo. Com a vitória parcial do Flamengo sobre o Cruzeiro, em Belo Horizonte, o Palmeiras começou melhor. Pressionado, o Vasco perdeu em saída de bola. Isolado, Maxi López pouco pôde fazer. Deyverson, que entrou no lugar de Borja, precisou de 12 minutos em campo para abrir o placar. Aos 28, ele escorou a açucarada bola de Willian Bigode.

Em menor número, a torcida do Palmeiras explodiu em emoção, aos gritos: ‘É campeão’. Em silêncio, a do Vasco sentiu o baque do gol, assim como o time, sem força para reagir, novamente assombrado pelo fantasma da Série B. A decisão sobre o futuro fica para a última rodada, domingo, contra o Ceará, em Fortaleza.

Fonte: ODIA