Foto: Divulgação/PMP

Palácio de Cristal terá piso fulget: tecnologia antiderrapante e permeável

Obra restaura áreas externa e interna do símbolo da cidade.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Quando o Palácio de Cristal for reaberto, antes da Bauernfest, os petropolitanos e turistas vão desfrutar de uma inovação de que poucos espaços públicos ao ar livre dispõem no país: o piso fulget, em lugar do antigo pedrisco. O novo piso usa a tecnologia para manter estética semelhante, mas com maior conforto, além de ser antiderrapante e permeável à água da chuva. A moderna pavimentação vai agregar ainda mais valor estético a um dos bens históricos mais conhecidos de Petrópolis.

A adoção do fulget é uma das novidades da reforma do Palácio de Cristal – todas, aprovadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O monumento em ferro e vidro, que remonta ao século XIX, vai ser entregue ao público ao fim de obras.

Qualidade e estética

O fulget é uma técnica de pavimentação que utiliza granito e quartzo triturados e aglutinados com resina, proporcionando drenagem e resistência. Adotado em espaços como o Terreirão do Samba, no centro carioca, e na área externa da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp), no bairro paulistano do Butantã, o novo piso será aplicado nos quase 600 metros de passeios do jardim do palácio – uma área pavimentada de 2.240 metros, das quais 780 metros vão suportar o peso de veículos.

Os caminhos de fulget ao redor do Palácio de Cristal terão placa desse material com espessura de 2,5 centímetros, sobre camada de 16 centímetros de pedra britada, assentada em solo compactado. Para eficiência da drenagem nos dias de chuva, um sistema de recepção de água instalada em meio à brita será conectado à rede pluvial. No trecho com capacidade para automóveis, ligado ao portão lateral do jardim, o fulget terá base de concreto.

Revitalização integral

O investimento na reforma do Palácio de Cristal está dividido em dois contratos de obras. O mais antigo abrange a recuperação da área externa, incluída a instalação do piso fulget, a recuperação dos banheiros e a instalação de elevador de acesso a eles, no subsolo.

O segundo contrato de obras foi firmado em fevereiro deste ano, após o levantamento arqueológico intensivo no terreno do palácio, que levou à paralisação das obras entre abril de 2021 e o início de 2022. O contrato selado em fevereiro inclui serviços como a recuperação e pintura dos forros de madeira do palácio, da portaria e dos gradis do muro, pintura da estrutura de ferro e da cobertura, impermeabilização das bases dos chafarizes, troca de vidros e rejuntamento do piso interno.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.