Pacientes que utilizam o Pronto-Socorro de Leônidas Sampaio, no Alto da Serra, sofrem com a estrutura precária e com a demora no atendimento. Fotos tiradas por usuários mostram os banheiros da unidade de saúde completamente alagados e sujos. Além disso, pacientes relatam que a espera para atendimento tem sido superior a 5 horas.

Os problemas tiveram início na última quinta-feira (21), quando o Consórcio Saúde Legal começou a administrar as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do Centro e Cascatinha. Desde então, a UPAs tem funcionado de forma restrita, direcionando os pacientes para o pronto-socorro do Alto da Serra. Neste terça-feira (26), os atendimentos na UPA de Cascatinha tiveram início somente às 10h. Já a unidade do Centro, estava funcionando apenas com pediatras.

“A situação aqui é precária. Além da superlotação, o ambiente está sujo e com pontos de alagamento nos banheiros. Sempre utilizei esse hospital e nunca havia passado por isso”, disse um paciente que preferiu não se identificar.

Além dos problemas estruturais, as queixas de superlotação e demora no atendimento são constantes. Júlio Lima, de 23 anos, conta que levou a irmã até o pronto-socorro, na tarde de ontem (26), mas tiveram que retornar para casa sem receberem atendimento “Estive aqui com a minhã irmã ontem e ela não foi atendida. Hoje retornamos e até agora nada, a espera já passa de 5 horas”, lamentou.

Em nota, a Secretaria de Saúde afirmou que o atendimento no Pronto Socorro do Alto da Serra é intenso, mas que, na tarde desta quarta-feira (27), haviam 15 pacientes na fila, com tempo de espera de 1h e 15 min.

O órgão afirmou ainda que a UPA Centro funciona normalmente com equipe completa e a UPA de Cascatinha atende casos de urgência e emergência. “A Secretaria de Saúde orienta que os moradores recorram à UPA Centro, onde três clínicos e dois pediatras estão atuando. Já nas UBS do Retiro, Quitandinha e Itamarati a população pode ser atendida até às 19h30, em horário ampliado.”, disse trecho da nota.