Uma moradora de Barra Mansa, localidade próxima da Posse, reclama do atendimento prestado pelo Posto de Saúde de Pedro do Rio, o mais próximo da sua residência. Seu irmão, de um ano e sete meses, adoeceu e foi levado neste domingo (4) para a unidade de saúde com ânsia de vômito, diarreia, sem apetite e reclamando de dores na barriga. De acordo com a denúncia, o menino não foi atendido porque no posto não havia médico pediatra.

A mulher, que pediu para não ser identificada, também reclama da dificuldade em conseguir uma consulta para seu pai. Por causa da distância de sua residência até o posto, ela precisa sair de casa às 4h da manhã e tentar uma senha que começa a ser distribuída as 8h. Mesmo saindo cedo com seu pai já ficou sem conseguir a senha que teria acabado antes de chegar a sua vez na fila.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Município informa que o Posto de Pedro do Rio dispõe de pediatra dois dias na semana, contrariando a denúncia.

O Posto de Saúde de Pedro do Rio dispõe de um médico clínico na equipe de atenção básica, para o pronto atendimento diariamente. A unidade conta com pediatra dois dias da semana e ainda com enfermeiros todos os dias, além de fonoaudiólogo e dentista. Nos dias em que não há pediatra, o atendimento é referenciado para Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Centro e Cascatinha ou para a urgência do Hospital Alcides Carneiro“, diz a nota da Secretaria.

Questionamos a Secretaria de Saúde sobre a distribuição de senhas para agendamento de consultas, e a resposta foi que o Posto não trabalha com agendamentos e as consultas são realizadas por ordem de chegada.

Quanto ao agendamento de consultas, a Secretaria frisa que o posto de saúde não trabalha com agendamento de consultas. As senhas para atendimento são distribuídas pela manhã, todos os dias. O posto de Pedro do Rio está funcionando com profissional da clínica médica e a Secretaria de Saúde está providenciando mais um médico para a unidade. Os moradores da região também podem recorrer ao atendimento do ambulatório da Posse“, conclui a nota da Secretaria de Saúde.