Os Desafios da Obesidade e os Riscos do Covid19

Doenças Crônicas Associadas à Obesidade Agravam o Quadro de Pacientes com Covid-19

Em março de 2020, a OMS ( Organização Mundial da Saúde), classificou o COVID-19 como uma pandemia, isto é, um vírus que está circulando por todos os continentes, causando uma síndrome composta por um amplo espectro de gravidade que vai desde pacientes assintomáticos, como aqueles que apresentam ou apresentarão comprometimento de múltiplos órgãos.

Assim sendo, vamos falar da gravidade do Covid-19 para o paciente obeso.

Estudos recentes nos Estados Unidos e França concluíram que a obesidade é a condição crônica que mais leva pessoas a serem hospitalizadas pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). A inflamação gerada pelo excesso de peso seria a grande responsável pelas complicações nesses indivíduos.

A obesidade pode estar relacionada a várias outras doenças; hipertensão, doenças cardíacas, doenças pulmonares e diabetes, podendo inclusive ser responsável pelas alterações hormonais; promovendo um estado inflamatório constante; Esse processo inflamatório é causado pelo excesso de peso.

Diante desse quadro, a pessoa obesa está com o organismo mais fragilizado e suscetível às complicações do Covid19, evoluindo para a sua forma mais grave da doença.

Um dos grandes desafios no caso de obesos com covid19 é a falta de estrutura hospitalar, isso porque não há instalações adequadas para uma demanda tão grande; faltam leitos adequados para obesos graves, além das dificuldades nos procedimentos de intubação e no diagnóstico por imagem; tudo fica mais complicado devido ao limite de peso dos equipamentos próprios para esses exames.

Isolamento Social

Segundo a Federação Mundial de Obesidade, o isolamento acaba agravando ainda mais o problema. Os casos de depressão e ansiedade entre as pessoas desse grupo também aumentaram e se agravaram com o isolamento social, potencializadas pelo medo e a incerteza.

Todo esse cenário também dificulta aqueles que necessitam de uma dieta restrita e tem problema de controlar o peso, pois a quarentena predispõe ao sedentarismo. E como se exige medidas mais extremas de prevenção para grupos de risco, a falta de atividade física como rotina, falta de caminhadas ao ar livre, somam se aos desafios enfrentados por essas pessoas.

Obesidade Infantil

O Departamento Científico de Endocrinologia, através da Sociedade Brasileira de pediatria, publicou uma nota de alerta aos pais. Para crianças e adolescentes com   obesidade o desafio pode ser maior se os pais não conversarem com seus filhos; é necessário ouvir os seus filhos, sobre os medos, as dúvidas e incertezas com relação ao Covid19, além de orientá-los com a prevenção e estimulá-los a participar de atividades físicas, ainda que improvisadas dentro de casa, bem como manter uma dieta saudável. Também é necessário colocar limites no uso das telas, para que não se extrapole o tempo diante de TVs e celulares. A orientação e apoio de profissionais de saúde e a rotina de exames médicos também precisa ser reprogramada se necessário.

 Conclusão

A obesidade é um grande fator de risco, pois diante de qualquer quadro viral a pessoa precisará de um sistema imunológico competente.

Assim, a orientação chave para essas pessoas, é que elas mantenham uma dieta saudável para que o sistema imunológico do organismo seja reforçado. Procurar exercitar-se por pelo menos uma hora por dia, mesmo que seja dentro de casa. Os cuidados com a obesidade, aliados a prevenção do covid19 e a atenção com a saúde mental, tornam se imprescindíveis nesse período.

Créditos

Dra. Bruna Marisa é médica, pós graduada em Endocrinologia, membro da SBEM, pós graduada em Medicina Ortomolecular, especialista em Emagrecimento e Low Carb, com vários cursos na área de Medicina Esportiva, onde também atua. Autora do E-Book: Guia de Emagrecimento Definitivo e Duradouro.

www.drabrunamarisa.com.br

Instagram: @drabrunamarisa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também