A Receita Federal, a Polícia Federal, a Controladoria Geral da União, o Ministério Público Federal e o Tribunal de Contas da União deflagraram hoje (31/10) a Operação TRITÃO, resultado de investigação de associação criminosa que atuava na Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) com o intuito de desviar recursos públicos mediante a realização de licitações irregulares de diversas áreas. O esquema contaria com o auxílio de funcionários da própria Codesp.

As licitações investigadas apresentam inúmeros indícios de irregularidade, destacando-se o direcionamento a determinadas empresas e o superfaturamento dos contratos. Além disso, vários processos não atendiam aos critérios mínimos exigidos por lei, inclusive contra a recomendação dos órgãos de controle externo. No curso das investigações, também foram detectados pagamentos indevidos a prestadores de serviço.

O valor total dos contratos investigados na operação supera o montante de R$ 37 milhões. Eles foram firmados principalmente com empresas da área de tecnologia que também prestam serviços a outros órgãos públicos.

Sete Mandados de Prisão e 20 de Busca e Apreensão estão sendo cumpridos por auditores-fiscais e analistas-tributários da Receita Federal, policiais federais e auditores da CGU. As ações ocorrem nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará e no Distrito Federal.

O nome da operação remete a Tritão, conhecido como rei dos mares na mitologia grega.