Nove veículos foram advertidos e retirados das ruas no último domingo (25.02) no entorno da Praça Frei Acineto Kroker, na Mosela. Problema comum relatado pelos moradores, motoristas estacionam no entorno da rua chegando a impedir a passagem de ônibus e outros automóveis. A fiscalização no local dá início a uma série de ações em áreas onde a mobilidade é comprometida por conta da parada de veículos irregularmente. As equipes da CPTrans irão intensificar as ações de fiscalização nesses pontos, onde as denúncias do tipo são frequentes, multando e rebocando os carros parados em locais proibidos.

Um dos maiores motivos de multa de trânsito em Petrópolis, a companhia contabilizou mais de 3,5 mil multas aplicadas em 2017 em Petrópolis, contanto com as notificações realizadas pela Guarda Civil e Polícia Militar, por conta de estacionamento irregular. A irregularidade é passível de multa, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor. A infração é considerada grave e rende multa de R$ 195,23 – no caso de ser em vagas para idosos e deficientes, o infrator deve desembolsar R$ 293,47 multa gravíssima e que rende 7 pontos na carteira.

“Um dos nossos maiores desafios atualmente na companhia é o combate ao estacionamento irregular. A prática é cometida em diversos pontos da cidade – uma falta de educação que compromete a mobilidade de todo o município. A CPTrans tem trabalhado intensamente para corrigir essa distorção, mas temos apenas 11 agentes, além do apoio da Guarda Civil e da Polícia. Por isso é fundamental que as pessoas tenham consciência de que, parando em um local irregular, pode atrapalhar centenas de outras pessoas que utilizam aquele caminho”, explica o diretor-presidente da CPTrans, Maurinho Branco.

Apesar de a companhia ter apenas 11 agentes de trânsito, a equipe, ao longo de 2017, conseguiu atender a 5.751 solicitações, incluindo as ações para coibir o estacionamento irregular. Também no ano passado, a companhia conseguiu remover 637 veículos que atrapalhavam o trânsito das ruas, sendo rebocados ou retirados pelos próprios proprietários após a notificação. Com uma dívida herdada de quase R$ 30 milhões de administrações anteriores, sendo 25% deste valor pagos e negociados ao longo de 2017, a companhia trabalha para conseguir, ainda este ano, aumentar o efetivo de fiscalização da CPTrans.

Moradora da Mosela, a professora aposentada Nair Teixeira Bello, de 68 anos, elogiou a ação da companhia. “Tem gente que para aqui, com os carros em frente as garagens e mesmo a gente pedindo e colocando placas, eles não respeitam. Isso é uma falta de respeito. Tem que multar mesmo, porque, infelizmente, as pessoas só mudam suas atitudes quando o aperto acontece no bolso. As equipes têm que vir aqui sempre para garantir que a gente continue tendo o nosso direito de ir e vir preservados. Estou muito satisfeita com a ação”, conta.

Moradores podem e devem denunciar essa prática à companhia para que a ação seja flagrada e o infrator seja punido do ato. Os contatos são o 156 e 2237-1703. Também é possível fazer a denúncia pelo serviço de mensagem da página do Facebook da Companhia, CPTrans Informa.