Foto: Reprodução

O Senado da Argentina votou pela aprovação da legalização do aborto no país

O Congresso Nacional da Argentina aprovou um projeto de lei para legalizar o aborto, permitindo que as mulheres realizem o procedimento dentro do período de 14 semanas de gravidez

Por Guilherme Campbell

Hoje dia 30, depois de várias horas de debate, o Senado argentino aprovou a lei do aborto com 38 votos a favor, 29 votos contra e 1 abstenção. O projeto de lei permite que as mulheres com menos de 14 semanas de gravidez optassem por interromper a gravidez de acordo com seus desejos pessoais. Tal acontecimento faz com que a Argentina seja um dos poucos países da América do Sul a legalizarem o aborto.

O projeto já havia sido aprovado pela Câmara dos Representantes e apoiado pelo presidente Fernandez. Para a América Latina, o projeto de lei é inovador, pois a região possui as leis de restrição ao aborto mais rígidas do mundo.

Segundo estimativas do Ministério da Saúde argentino, entre 370.000 e 522.000 argentinas fazem abortos ilegais a cada ano e milhares de mulheres são hospitalizadas por complicações causadas por abortos seguros a cada ano, que é a principal causa de morte materna. Em 2018, o Congresso argentino já havia votado pela legalização do aborto. Naquela época, depois que a Câmara dos Representantes da Argentina aprovou o projeto com relutância, o Senado rejeitou o projeto com 38 votos contra e 31 votos a favor.

O projeto de lei foi apresentado pelo presidente Alberto Fernandez e, apesar da forte oposição da Igreja Católica e dos cristãos evangélicos, foi aprovada pela Câmara dos Deputados em 11 de dezembro.

O presidente Fernandez disse: “Sou católico, mas tenho que fazer legislação para todos. Todos os anos, cerca de 38.000 mulheres são enviadas aos médicos para abortos (ilegais). Desde a restauração da democracia (1983), mais de 3.000 morreram em consequência disso. “

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também