Nova temporada da série “Natália” retrata corrupção e trabalho escravo Com produção da Academia de Filmes e direção-geral de André Pellenz, série conta a história da modelo Natália, que volta ao Brasil depois de cinco anos de uma carreira de sucesso no exterior

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A segunda temporada de “Natália”, série criada por André Pellenz e Patrícia Corso, já tem estreia marcada em canais de TV aberta e fechada. O primeiro episódio será exibido dia 21 de fevereiro, às 21h15, na TV Brasil, e 2 de março, às 20h, no Canal Universal. A temporada, com 13 episódios, segue acompanhando a história de Natália, criada no subúrbio e filha de pastor evangélico, que venceu grandes dificuldades e preconceitos para virar uma modelo de sucesso. Depois de cinco anos no exterior, ela volta ao Brasil para novamente mudar de vida, investindo em uma nova profissão.

A série discute temas bastante atuais, como o empoderamento feminino, ética na política, trabalho escravo na indústria da moda, afirmação racial e até mesmo a transsexualidade – a primeira temporada exibiu o primeiro beijo gay masculino da TV aberta brasileira e, agora, a mesma personagem envolvida no beijo quer mudar de sexo. A série é produzida pela Academia de Filmes, com direção-geral de André Pellenz.

“Estamos muito felizes em estrear a segunda temporada de ‘Natália’ na TV Brasil e no Canal Universal. Seguimos o mesmo propósito que a fez ser tão elogiada no primeiro ano, discutindo temas atuais e urgentes como a representatividade dos negros no audiovisual, a questão de gênero, o trabalho escravo na moda e a corrupção. A Academia de Filmes acaba de completar 22 anos no mercado, mantendo a tradição de produzir conteúdo audiovisual de qualidade para todas as telas”, comenta Juliana Bauer, gerente de negócios da Academia de Filmes.

A temporada começa com a chegada de Natália no Brasil – nesta temporada interpretada por Angela Peres, atriz, socióloga e doutoranda em antropologia, em sua estreia como protagonista – para lançar a primeira coleção de roupas de sua nova carreira de estilista. Mas logo no primeiro dia Natália é surpreendida com a denúncia contra seu pai Marcelino, vivido pelo ator e fundador do grupo “Nós do Morro” Gutti Fraga, acusado de envolvimento em um esquema de corrupção da ONG “Mais uma Chance”, que reabilita dependentes químicos. Marcelino é acusado de ser laranja de Anderson (Wagner Santisteban), dono da ONG, deputado estadual e também pastor evangélico.

A trama se desenrola quando Ingrid (Leona Cavalli), uma empresária ousada e mulher de Otávio (Claudio Lins), ex-namorado de Natália, propõe sociedade à protagonista. Além de enxergar uma chance real de lucro, Ingrid percebe que a presença de Natália no Brasil pode interferir em seu casamento, e por isso quer manter a rival por perto.

Junto de Ingrid, Glória (Maurício Branco, agora interpretando uma mulher trans) e Otávio, Natália abre uma confecção de roupas, mas terá que aprender a administrar a vida de estilista, ao mesmo tempo em que lida com o pai na prisão e com o amor que sente pelo seu ex. A modelo vive ainda um dilema ao descobrir que a firma contratada para confeccionar as roupas de sua marca usa mão de obra escrava.

Também integram o elenco: Michelly Campos como Daiana, Karen Junqueira como Vivienny e Hugo Bonemer como Theo Villaça Jr., importante vértice de um triângulo amoroso com Natália e Otávio.


Sobre A Academia de Filmes

A Academia de Filmes produz conteúdo audiovisual de entretenimento, cultura e interatividade para todas as telas há 22 anos. Para a TV, produziu, entre outras obras, as séries documentais “Eu te Dedico” (Arte 1), “Futuros Campeões” e “Espírito da Luta”, ambas para o canal Combate; “os docu-realities 200 Graus” (Discovery Home & Health), com o chef Henrique Fogaça,  “Linhas Tortas” e “Mixados”,ambos para a PlayTV; as microsséries “Amor em 4 Atos” (TV Globo); “A Pedra do Reino (TV Globo), direção-geral de Luiz Fernando Carvalho; “Natália” (TV Brasil/Universal Channel) e “Milagres de Jesus” (Record TV). Para 2018, está prevista a estreia da nova temporada de “Espírito da Luta”. Mais recentemente, em cinema, produziu “Legalize Já!”, de Johnny Araújo e Gustavo Bonafé, sobre a amizade entre Marcelo D2 e Skunk e a formação da banda Planet Hemp, consagrado como Melhor Ficção Nacional, segundo o público, na 41a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e com lançamento comercial previsto para o primeiro semestre de 2018. Coproduziu “Elis”, de Hugo Prata. Assina ainda “Infância Clandestina”, de Benjamín Ávila – indicação Argentina ao Oscar 2013. Entre outras produções para o cinema estão: os longas “Eu te Levo” (2017), de Marcelo Müller; “Amanhã Nunca Mais” (2011), de Tadeu Jungle, e “Natimorto” (2009), de Paulo Machline, e os documentários “Titãs – a Vida até Parece uma Festa” (2009), de Branco Mello e Oscar Rodrigues Alves, e “Histórias do Rio Negro” (2007), de Luciano Cury.

 

Foto em destaque: Vivienny (Karen Junqueira) Anderson (Wagner Santisteban) e Andre Pellenz (Diretor) | CréditoHans Georg

Fonte: A Academia de Filmes

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.