A Receita Federal, em parceria com o Ministério Público Federal e com a Polícia Federal, participa da Operação Rizona, deflagrada na manhã desta quinta-feira (12/04) como um desdobramento da Operação Calicute, na qual é investigado ex-governador do Estado do Rio de Janeiro. Esta fase da operação tem por fim esclarecer a existência de pagamento de propina a gestores dos fundos de pensão do Correios e do Serpro.

Participam da operação auditores-fiscais e analistas-tributários da Receita Federal, que cumprem mandados de busca e apreensão, entre outros mandados judiciais expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

A Receita Federal vem participando das investigações, em conjunto com o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, desde antes de sua deflagração ostensiva, por meio de cruzamentos e análise de dados internos realizados pela área de inteligência.

A partir de análises fiscais, foi possível identificar alguns indícios de ocultação de bens, enriquecimento ilícito, pagamentos fictícios de serviços e emissão de “notas frias” que serviriam tanto para gerar receitas e despesas em empresas de investigados.

Rizoma na Botânica é uma espécie de caule que se ramifica sob a terra, tratando-se de uma alusão ao processo de lavagem de dinheiro e ao entrelaçamento existente entre as empresas investigadas.

Fonte: RFB - 7ª Região Fiscal Superintendência da Receita Federal