Nos últimos dias de Olimpíadas, Brasil garante sua melhor campanha olímpica da história

Delegação terminou no 12º lugar, melhor classificação de sua história.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O final de semana marcou o encerramento dos Jogos de Tóquio e o Brasil terminou com a melhor performance do país em uma edição de Olimpíadas. Com sete ouros, seis pratas e oito bronzes, a delegação superou a campanha feita na Rio-2016, na qual foi ao pódio 19 vezes e terminou no 12º lugar no quadro geral de medalhas, melhor classificação de sua história.

Isaquias Queiroz fez história no Canal Sea Forest. O baiano faturou a medalha de ouro na prova do C1 1000 metros da canoagem de velocidade. Correndo na raia 4, o atleta cravou a marca de 4min04s408. Essa foi a quarta medalha do atleta baiano na história das Olimpíadas. Nos Jogos de 2016 (Rio de Janeiro), ele já havia faturado duas pratas, no C1 1000 m e no C2 1000 m, e o bronze no C1 200 m. Agora o baiano se iguala ao líbero Serginho e ao nadador Gustavo Borges, dupla que também foi quatro vezes ao pódio olímpico na carreira.

No Boxe, Hebert Sousa recuperou-se de uma derrota quase certa com um nocaute no final de sua luta e conquistou o ouro na categoria médio (até 75 kg). Faltando apenas cerca de 90 segundos para o final, o brasileiro deu um golpe certeiro que deixou o campeão olímpico Oleksandr Khyzhniak no chão e garantiu a vitória. Já Bia Ferreira ficou com a prata após perder a final da categoria leve (até 60 kg) para a irlandesa Kellie Harrington, por decisão unânime dos juízes, na Arena Kokugikan.

No futebol, o Brasil venceu a Espanha por dois a um na manhã deste sábado (7), em Yokohama (Japão), e garantiu o segundo ouro consecutivo do futebol masculino nos Jogos Olímpicos. O herói da final foi o atacante Malcom, que entrou na prorrogação e decidiu.

A última disputa de medalha do país ficou por conta do vôlei feminino, mas os Estados Unidos não deram chance ao Brasil e conquistaram o lugar mais alto do pódio ao vencerem a final por três sets a zero, com parciais de 25/21, 25/20 e 25/14. Na decisão realizada na Arena de Ariake, as norte-americanas finalmente chegaram ao primeiro título em Olimpíadas na modalidade, após três pratas e dois bronzes. Já as brasileiras tiveram frustrado o sonho do terceiro ouro.

Com o encerramento das Olimpíadas de Tóquio, os Estados Unidos assumiram o topo da classificação, após uma série de medalhas de ouro conquistadas nos últimos dias de Jogos. O país terminou com 113 medalhas conquistadas, entre elas, 39 ouros, 41 pratas e 33 bronzes. A China ficou no segundo lugar com 38 ouros, 32 pratas e 18 bronzes. Já o país sede, Japão, fechou o top-3 com 27 ouros, 14 pratas e 17 bronzes.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.