Rebeca Albuquerque, Vanessa Lopes e Karla Leal Macedo - Foto: Divulgação

Netos brasileiros não precisam mais comprovar vínculos efetivos para obter a cidadania portuguesa

Alteração da lei de nacionalidade portuguesa também beneficiou cônjuges e companheiros, com fundamento no casamento ou união estável há mais de 6 anos
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Brasileiros que desejam conquistar a tão esperada cidadania portuguesa têm mais um motivo para investir neste sonho, já que o processo passou por mudanças recentemente. Publicada no último dia 18 de março, a mais nova alteração trouxe a novidade da tramitação eletrônica dos processos, de forma que vai facilitar a distribuição e simplificar o acesso aos procedimentos.

Outra novidade é a nona alteração à lei da nacionalidade portuguesa, publicada no dia 10 de novembro de 2020, que veio para facilitar o acesso à cidadania, principalmente para netos, cônjuges e companheiros de nacionais portugueses. Uma das principais alterações é com relação à simplificação da comprovação dos laços de efetiva ligação à comunidade portuguesa.

Até então, no antigo regime, para obter a cidadania, os netos precisavam comprovar vínculos efetivos com Portugal, tais como viagens regulares, residência legal no país, conta bancária portuguesa, número de contribuinte fiscal, aquisição de imóvel em Portugal e até frequentar comunidades portuguesas, o que muitas vezes tornava o processo difícil e burocrático. A alteração na lei acaba justamente com toda esta obrigatoriedade.

Sendo assim, a verificação dos laços com a Comunidade Portuguesa passa a ser demonstrada apenas com o conhecimento suficiente da língua portuguesa, o que beneficia muitos netos de portugueses, em especial os nascidos no Brasil, pois neste caso o conhecimento da língua é presumido, já que temos a língua portuguesa como nativa no Brasil.

“A regulamentação das mudanças aprovadas contribui para uma maior segurança jurídica nos processos de nacionalidade, pois torna mais objetiva a análise da comprovação documental de netos de portugueses”, diz Rebeca Albuquerque, diretora do ALM Advogadas Associadas, escritório com sede no Brasil, Portugal e Itália, que auxilia brasileiros e estrangeiros como um todo na busca pela cidadania europeia.

Mudança também beneficia cônjuges e companheiros

A mudança também beneficiou cônjuges e companheiros, com fundamento no casamento ou união estável que decorram há mais de 6 anos, uma vez que não é necessária a prova de existência da ligação efetiva à comunidade nacional. Os casais com 3 anos de relação também são beneficiados, com filhos portugueses em comum, por exemplo.

Mas o ALM Advogadas Associadas alerta: é necessário transcrever o casamento em Portugal e a união estável ser revista e confirmada no Tribunal Cível Português, por meio de advogado.

“Havia essa necessidade de comprovação de vínculos com a comunidade portuguesa, o que de fato, pela rigidez do processo, desencorajava muitos interessados. O procedimento hoje pode ser menos burocrático diante das hipóteses específicas de presunção automática de vínculos, principalmente para os brasileiros e comunidades de língua oficial portuguesa”, disse Vanessa Lopes, advogada luso-brasileira e nova sócia do ALM.

ALM Advogadas Associadas tem nova sócia em Portugal

Para facilitar ainda mais o processo de conquista da cidadania portuguesa, o ALM Advogadas Associadas anunciou Vanessa Lopes como nova diretora e sócia do escritório. Luso-brasileira e residente no Porto, em Portugal, Vanessa Lopes é especialista em direito civil, mediadora de conflitos, atuante em direito imigratório e com experiência há mais de 10 anos em cidadania portuguesa. Agora, Vanessa se junta às já sócias-diretoras Rebeca Albuquerque, baseada no Brasil e especialista em compliance e em direito internacional, e Karla Leal Macedo, baseada na Itália, mestre em direito pela Universidade de Bolonha.

Sobre o ALM Advogadas Associadas

O ALM Advogadas Associadas é um escritório com sede no Brasil, Portugal e Itália, que auxilia estrangeiros na busca pela cidadania europeia. Comandada pelas advogadas no Brasil, na Itália e em Portugal, Karla Leal Macedo, mestre em direito pela Universidade de Bolonha, que se dedica principalmente aos processos no Tribunal de Roma, Rebeca Albuquerque, especialista em compliance e em direito internacional, e Vanessa Lopes, especialista em direito civil, atuante em direito imigratório, com mais de 10 anos de experiência em cidadania portuguesa, o ALM Advogadas Associadas nasceu para ser o elo entre história e o futuro, entre o Brasil e a Europa, e para auxiliar no processo que envolve histórias, documentos, pesquisa e aspectos jurídicos ligados ao processo de reconhecimento da cidadania.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.