No Dia Mundial da Água, 22 de março (quinta-feira), países do mundo inteiro estarão reunidos, em Brasília, para discutirem o problema da escassez da água no planeta e as ações para o futuro, durante o I Fórum Mundial da Água no Brasil. Para refletir sobre a data, o Museu Imperial de Petrópolis promoverá, em paralelo, atividades especiais para o público infantil com a escritora Ana Maria de Andrade. A autora trabalha com Ecoliteratura e Arte Sustentável, desde 2003, completando 15 anos dedicados a projetos de mediação de leitura, arte-educação e educação ambiental.

O encontro celebrará também os 15 anos do livro “Água Viva”, pioneiro na abordagem de questões como poluição e escassez da água na literatura infantil. A autora contará a história e fará oficina de origami, e ainda montará com as crianças um painel com materiais recicláveis. As atividades são gratuitas e serão realizadas em três horários: 10h, 13h30 e 15h. Ao final, serão distribuídos exemplares autografados de outro título da autora, “Mundo Diferente”, trazendo a reflexão “O que as crianças podem fazer para salvar o planeta Terra?”.

Este será o primeiro evento de muitos outros já previstos na região serrana. A autora realizará encontros com 1.000 crianças ao longo de 2018. A cada encontro, será produzido um painel, onde o público irá criar peixinhos em origami em homenagem ao personagem do livro “Água Viva”, o Peixinho Dourado. Cada um deles, levará o desejo das crianças de salvarem a água do planeta e a certeza de um futuro com maior consciência ambiental. Os painéis serão reunidos em uma exposição com local e data a serem confirmados.

A história “Água Viva” nasceu em 1994, logo após a realização da Eco 92 no Brasil, sendo publicada quase 10 anos depois. O texto foi pioneiro ao falar às crianças bem pequenas, a partir da Educação Infantil, sobre a poluição e a escassez da água. Na época, não haviam livros de literatura infantil que abordassem o tema com linguagem adequada às crianças em fase de alfabetização. Logo em sua primeira edição, foi adotado pelo Plano Nacional do Livro Didático (PNLD), para todas as escolas da rede pública do estado de São Paulo. Atualmente, é adotado por escolas em vários estados do Brasil e faz parte de programas de leitura em Portugal.

O livro também deu origem ao projeto “Água Viva”, desenvolvido em Duque de Caxias, em parceria com a empresa ICQL Química, sendo reconhecido pela Fundação ABRINQ, no programa Empresa Amiga da Criança, desde 2006, e premiado, em 2015, pela Associação Brasileira de Recursos Humanos, com o Prêmio Ser Humano. Nesta trajetória, o projeto já beneficiou cerca de 2.000 crianças e jovens, professores e familiares, com atividades de leitura, arte e conscientização ambiental.

SERVIÇO
Hora do conto e Oficina Criativa com a autora – Dia Mundial da Água
Data: 22 de março (quinta-feira)
Horários: 10h às 11h30, 13h30 às 15h e 15h às 16h30
*As atividades são destinadas a grupos escolares previamente agendados junto ao setor de Educação do Museu Imperial
Classificação indicativa: Livre. Crianças da Educação Infantil.

Sobre a autora
Ana Maria de Andrade trabalha com Ecoliteratura e Arte Sustentável desde 2003, completando 15 anos dedicados a projetos de mediação de leitura e arte-educação. “Água Viva” foi seu primeiro livro. Hoje, possui 20 títulos publicados, com foco na educação ambiental e na formação de valores para a prática da cidadania, da solidariedade, do respeito ao lugar onde vivemos e às pessoas com quem convivemos. A criança vista como agente de transformação, capaz de refletir e agir para um mundo melhor, é a motivação da autora: “Água, terra, ar e gente. Somos parte da mesma história”.