A multa de R$ 250 milhões aplicada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama)  à Vale pelo rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, pode ser convertida em investimentos em sete parques nacionais de Minas Gerais. A declaração é do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Em entrevista concedida à Globo News na manhã desta segunda-feira, ele explicou que a mineradora já pagou a multa do governo de Minas Gerais e a do Ibama ainda está pendente. A Vale já recorreu desta última e pode recorrer novamente em outras instâncias. Então, para evitar uma longa discussão administrativa e até redução do valor da multa, propôs que o valor fosse convertido repassado aos parques. 
Minas Gerais possui oito parques nacionais. O do Itatiaia, na divisa com o Rio de Janeiro, foi concedido à iniciativa privada no início deste ano. Os demais são os parques nacionais do Caparaó (Zona da Mata), Grande Sertão Veredas (Norte de Minas), Cavernas do Peruaçu (Norte de Minas), Serra do Gandarela (Grande BH), Serra do Cipó (Grande BH), Sempre-Vivas (Vale do Jequitinhonha) e Serra da Canastra (Centro-Oeste de Minas). Salles também informou que propôs que a mineradora adote o museu do Inhotim, em Brumadinho. “Sete parques nacionais que ainda não têm infraestrutura para o turismo, não estão preparados para receber a população, não têm atrativos desenvolvidos da forma como deve ser”, disse Ricardo Salles durante a entrevista à emissora. “É uma grande oportunidade para o estado de Minas Gerais ter um grande investimento nesse montante de R$ 250 milhões. Investimento esse que traz não só conservação do meio ambiente, mas justamente a oportunidade de emprego e desenvolvimento de um estado que está muito fragilizado por causa dos problemas da mineração”, pontuou.


“Sete parques nacionais que ainda não têm infraestrutura para o turismo, não estão preparados para receber a população, não têm atrativos desenvolvidos da forma como deve ser”, disse Ricardo Salles durante a entrevista à emissora. “É uma grande oportunidade para o estado de Minas Gerais ter um grande investimento nesse montante de R$ 250 milhões. Investimento esse que traz não só conservação do meio ambiente, mas justamente a oportunidade de emprego e desenvolvimento de um estado que está muito fragilizado por causa dos problemas da mineração”, pontuou.

Fonte: ESTADO DE MINAS