Mortes por Covid-19 no Mundo já passam do número de 3 milhões

As mortes de Covid-19 estão aumentando novamente em todo o planeta, especialmente no Brasil e na Índia.

O total de mortes relacionadas ao Coronavírus no mundo ultrapassou 3 milhões nesta terça-feira, de acordo com uma contagem da Reuters, e a disparada mais recente de infecções de Covid-19 está desafiando os esforços de vacinação ao redor do globo.

As mortes de Covid-19 estão aumentando novamente em todo o planeta, especialmente no Brasil e na Índia. Autoridades de saúde culpam variantes mais infecciosas que foram detectadas primeiramente no Reino Unido e na África do Sul, assim como a fadiga pública com lockdowns e outras restrições.

Segundo uma contagem da Reuters, demorou mais de um ano para o total global de mortes de coronavírus chegar a 2 milhões, mas o milhão seguinte ocorreu em cerca de três meses.

O Brasil é o líder mundial na média diária de novas mortes relatadas e responde por uma de cada quatro mortes globais a cada dia, de acordo com uma análise da Reuters.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu a situação dramática imposta pelo coronavírus ao país, dizendo que o Brasil se encontra em uma condição muito crítica com um sistema de saúde sobrecarregado.

“De fato, existe uma situação muito grave acontecendo no Brasil neste momento, já que temos uma série de Estados em condição crítica”, disse Maria Van Kerkhove, epidemiologista da OMS, em uma entrevista coletiva nesta terça-feira, acrescentando que muitas unidades de tratamento intensivo hospitalares estão mais de 90% ocupadas.

A Índia relatou um aumento recorde de infecções de Covid-19 na segunda-feira, tornando-se a segunda nação, depois dos Estados Unidos, a registrar mais de 100 mil casos novos em um dia.

Maharashtra, o Estado indiano mais afetado, começou a fechar bares, restaurantes, cinemas, shopping centers e locais de culto, já que os hospitais estão sobrecarregados de pacientes.

A região europeia, que inclui 51 países, tem o maior total de mortes – quase 1,1 milhão.

Fonte: InfoMoney

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também