Foto: Divulgação / MF Press Global

Morre o maior diretor de dublagem de todos os tempos, Mário Monjardim

Com notáveis trabalhos na dublagem, Mário Monjardim morre poucos dias após a morte de outro gênio desta área.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Poucos dias após a morte de Orlando Drummond, outro grande dublador faleceu nesta sexta-feira. Mário Monjardim, famoso por dar voz a personagens icônicos como Pernalonga em Looney Tunes e Salsicha em Scooby-Doo. Ele tinha 86 anos, sofreu um AVC no ano passado e era pai do diretor de dublagem Júlio Monjardim e primo do diretor de novela Jayme Monjardim.

Coincidentemente, Mário era o melhor amigo do Orlando Drummond, que foi um dos padrinhos de casamento de seu filho com Adriana de Abreu Rodrigues, irmã do jornalista Fabiano de Abreu. Estão separados e são os pais da dubladora e cantora Giulia Monjardim, voz em diversos desenhos famosos entre eles, Os Padrinhos Mágicos e canções da Disney. 

Mário também foi diretor do Orlando Drummond e dos desenhos dublados pela Herbert Richers. Ele também deu voz a personagens conhecidos por várias gerações como Frangolino e Capitão Caverna.

Foto: Divulgação / MF Press Global

Carreira de sucesso 

O capixaba Mário Monjardim Filho nasceu em 16/01/1935, na cidade de Vitória. Foi casado com Zoraida Barreto e atualmente estava com Branca Monjardim. Foi pai de cinco filhos: Marcus, André, Júlio, Leyla e Mario.

Começou a carreira em 1954 na Rádio Vitória aprovado pelo diretor José Américo. Quatro anos depois partiu para a então capital federal quando trabalhou na Rádio Nacional a convite do mesmo diretor.

Em 1965 foi para a recém inaugurada TV Globo por intermédio do diretor Graça Melo. Lá fez parte do elenco de vários programas, dentre eles a primeira versão de Carga Pesada, e os programas humorísticos Chico Anysio Show e Os Trapalhões, todos na década de 1980.

Na dublagem começa as atividades em 1958, na Herbert Richers, quando havia acabado de chegar no Rio de Janeiro. Nos anos seguintes trabalhou na ZIV, Rio Som, Cine Castro, TV Cine Som, e Dublasom Guanabara.

Nos anos de 1970, além da Herbert Richers, Televox, e Tecnisom, também começa a atuar na Peri Filmes, e Croma. Já na década seguinte, também passa pela Telecine, VTI e também em outros estúdios, como a Delart, Sincrovideo, e Double Sound.

Chegou ao século XXI em plena atividade, pois além da Herbert Richers, e Delart, também atuou na Wan Macher e Cinevídeo. Nos últimos anos, trabalhou na Delart, com alguns trabalhos na Audiocorp, e na Áudio News, até se afastar da dublagem após sofrer um AVC.

“Mário nunca gostou de holofotes, ele amava dublar, ele respirava isso. Quando teve AVC, nada mais fazia sentido”, lamenta o neurocientista e jornalista Fabiano de Abreu.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Zeca Pagodinho é internado com Covid-19

Segundo a Casa de Saúde São José, no Humaitá, na Zona Sul do Rio, “o paciente apresenta bom estado geral, com sintomas leves, sem necessidade de suporte de oxigênio”.

Comentários estão fechados.