Moradores da Rua Chile, no Alto da Serra, estão desesperados com a situação de insegurança no bairro. Um grupo de moradores em situação de rua estão aterrorizando quem passa próximo da “moradia improvisada” por eles. que fica embaixo da marquise da loja Formigão Malhas.

O grupo, de aproximadamente 10 pessoas, cozinham em um fogão instalado na “moradia”, fazem suas necessidades fisiológicas e também praticam sexo em pleno ar livre, na presença de qualquer pessoa que esteja passando, inclusive crianças e idosos. Além da algazarra diária, há muito barulho e brigas entre eles (em uma briga recente usaram até faca). Há também casos de interceptação de veículos na rua.

Moradores e comerciantes já entraram em contato com a Setrac, mas não houve nenhuma solução. Os moradores de rua já chegaram a ser retirados, mas retornam em seguida. Também entraram em contato com a polícia militar que não resolve a situação.

De acordo com a Prefeitura, a “Guarda Civil e Secretaria de Assistência Social fazem constantes abordagens à população em situação de rua para oferecer acolhimento no Centro Pop quanto no NIS. As abordagens são feitas em diferentes pontos da cidade, entre os quais a Rua Chile, no Alto da Serra. Este trabalho é feito por educadores assistenciais todos os dias da semana, em horários diversos. Nesta sexta-feira (16.02) pela manhã, uma nova abordagem foi feita e uma pessoa aceitou acolhimento no Centro Pop. Ela, portava apenas roupas e cobertores“.

É importante ressaltar que a população também pode acionar a Secretaria para que a abordagem seja feita. Os casos devem ser comunicados pelo telefone 2246-8741, que funciona 24h. Em caso de violência, perturbação da ordem ou danos ao patrimônio, a Guarda Civil ou a Policia Militar devem ser acionadas imediatamente para adotar as medidas cabíveis. As solicitações podem ser encaminhadas pelo telefone 153 (Guarda) e 190 (PM)“, informa a Prefeitura de Petrópolis.

Esclarecendo sobre as ações realizadas pela Assistência Social, a Prefeitura explica:
“A abordagem feita pela Assistência Social é acompanhada por guardas civis, que também oferecem apoio para quem aceita ir para o Centro de Referência Especializada para População em Situação de Rua (Centro Pop) ou para o Núcleo de Integração Social (NIS).

No Centro Pop eles podem tomar banho, se alimentar e passar o dia. Caso a pessoa tenha interesse, ela pode ser encaminhada para o Núcleo de Integração Social (NIS) onde passará por todo um processo de ressocialização, e recebe tratamento médico e psicológico. O objetivo da Assistência Social é dar a oportunidade para que possam conseguir um emprego ou retornar para as suas cidades de origem, no caso de pessoas de outros municípios.

O Centro de Referência Especializada para População em Situação de Rua (Centro Pop) atende em média 150 pessoas e o NIS – Núcleo de Integração Social abriga em média 80 pessoas, sendo 90% homens na faixa etária de 30 a 50 anos”.