Moradores ainda enfrentam problemas desde as primeiras chuvas do início do ano Ônibus deixaram de circular em algumas vias desde o dia 2 de janeiro

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Algumas vias da cidade ainda permanecem interditadas após as fortes chuvas que caíram na primeira semana do ano. Segundo alguns relatos, buracos e deslizamentos impedem a circulação regular de veículos, principalmente de grande porte como caminhões e ônibus.

Na Ladeira João Ventura Torres (Morro do Ventura), localizada no bairro Estrada da Saudade, por exemplo, foi registrada a queda de um muro particular que divide duas casas e, segundo a prefeitura de Petrópolis, precisa ser refeito pelos vizinhos, como recomendado pela Defesa Civil.

Na Ladeira João Ventura Torres, houve a queda de um muro particular que divide duas casas e precisa ser refeito pelos vizinhos, como recomendado pela Defesa Civil – a obra é particular”, diz a prefeitura.

Nesta mesma rua há um ralo que precisa ser reparado e a Secretaria de Obras já programou o reparo para esta semana.

Além disso, a Secretaria de Obras programou para esta semana o reparo em um ralo e vai verificar a necessidade de outras intervenções no local”, conforma a prefeitura.

Patricia Nogueira, moradora da localidade, disse que está sofrendo com a situação. Sua mãe, Valda, que é idosa, tem dificuldades para subir a rua e não tem conseguido sair de casa.

Estamos sem ônibus no Morro do Ventura e precisamos resolver. Muitas pessoas prejudicadas”, disse Patricia.

Patricia afirma ainda que os ônibus deixaram de circular na localidade no dia 2 de janeiro. Pessoas idosas e com deficiência são as mais prejudicadas com a falta do serviço.

O Giro Serra também recebeu relatos de buracos que ainda não foram restaurados em outras vias da cidade. Naty Tesch Guimarães, moradora da Rua Primeiro de Maio, no Castelânea, disse um buraco foi aberto antes do natal.

Desde bem antes do Natal abriu um buraco no viradouro da rua Primeiro de Maio, na Castelanea, e até agora nada foi feito. Tá perigoso, pois um caminhão pode passar em cima e acabar ficando preso.”, disse a moradora.

Durante esta semana o buraco foi fechado com terra e pedras. Os carros têm passado por cima e levado o material que se espalha na via. Há risco de derrapagem.

Foi lá tapar o buraco…, desse jeito! Conforme os carros passam vão derrapando ali e tirando essa terra”, afirma Naty.

Ladeira João Ventura Torres

Também por conta das chuvas do início do ano, um deslizamento de terra entupiu uma manilha que faz o escoamento de água localizada atrás do Museu Casa do Colono, localizado na Rua Cristóvão Colombo, no bairro Castelânea. Uma visitante do museu disse ter entrado em contato com a prefeitura para cobrar uma solução, mas não obteve sucesso. Ela disse ainda ter presenciado os funcionários trabalhando na tentativa de desviar a água que descia em direção a casa durante a semana.

“Hoje estive visitando o Museu Casa do Colono. O museu está lindo e o atendimento maravilhoso. Mas triste porque, em razão de um cano entupido, está vazando água e acumulando no terreno atrás da casa, sendo foco de mosquito e causando risco de queda pelos visitantes. E ainda de dano à uma casa tão bonita e histórica. Nada foi feito pela prefeitura. Eu mesma liguei para lá e o responsável está sempre na rua, o descaso é imenso”, relatou a frequentadora do museu que pediu para não ser identificada.

A água acumulada está correndo risco, não só de foco de mosquito, mas de infiltrar por debaixo da casa, que é um patrimônio cultural. Embora os funcionários frequentemente, durante o dia, empurram a água, mas não cessa de cair pois vem do morro atrás”, concluiu a visitante.

A Prefeitura, em nota, informou que o um pequeno deslizamento de terra e pedras causou o entupimento da manilha de água, mas já está providenciando o reparo.

Por conta das chuvas, um pequeno deslizamento de terra e pedras no barranco que fica nos fundos do Museu entupiu a manilha de escoamento de água. A prefeitura já está providenciando a desobstrução da manilha. Vale ressaltar que se refere ao escoamento de água e não esgoto”, diz a nota.

O Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários de Petrópolis (Setranspetro) ainda não se pronunciou sobre a interrupção da linha de ônibus que deixou de circular na Ladeira João Ventura Torres, no Estrada da Saudade.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.