Morador de Itaipava encontra tatu-galinha e salva animal

Morador encontrou o animal no quintal com dificuldades de retornar à mata
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Na última terça-feira (24/11), os guarda-parques do Refúgio de Vida Silvestre Estadual da Serra da Estrela (REVISEST), unidade de conservação administrada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), salvaram um tatu-galinha (Dasypus novemcinctus) macho e jovem. Um morador de Itaipava encontrou o animal silvestre em seu quintal com dificuldades de retornar à mata e o entregou a equipe da unidade de conservação.

Após receber o animal na sede, a equipe do REVISEST identificou feridas em uma de suas patas. Imediatamente, o tatu-galinha foi direcionado ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres da Universidade Estácio de Sá (CRAS) para reabilitação.

Finalizado o tratamento e a recuperação, o animal será devolvido à natureza, na mesma região onde foi resgatado, cumprindo com a missão da unidade de conservação em colaborar na preservação e conservação da biodiversidade fluminense.

De acordo com o gestor do REVISEST, Eduardo Pinheiro, a parceria com o CRAS e o contato dos moradores com os guarda-parques são fundamentais para a proteção da vida silvestre, uma vez que o Inea contribui no resgate e soltura de animais em locais próximos às unidades de conservação estaduais. “A equipe do CRAS está sempre disposta a apoiar o trabalho de resgate. Nós, do Inea, somos um ponto focal importante na região e mantemos um trabalho relevante de comunicação direta com os moradores”, comenta Pinheiro.

Não é surpresa que os tatus-galinhas apareçam nas proximidades de unidades de conservação estaduais. Há menos de um mês, o Inea realizou o resgate e a soltura de outro exemplar da mesma espécie no Parque Estadual da Lagoa do Açu, a partir de chamado de morador da redondeza da unidade de conservação. Apesar de não estar ameaçado de extinção, a espécie, que ocorre em todos os biomas brasileiros, sofre por conta de incêndios, desmatamentos, atropelamentos e, principalmente, por caça. A finalidade é o uso da carne para alimentação humana, às vezes dos próprios caçadores, outras vezes para a venda da carne.

Sobre o refúgio

O Refúgio de Vida Silvestre Estadual da Serra da Estrela, localizado na Região Serrana do Rio, é a unidade de conservação mais recente criada no Estado do Rio de Janeiro e responsável por formar um corredor ecológico entre duas grandes unidades de conservação federais: a Reserva Biológica do Tinguá e o Parque Nacional da Serra dos Órgãos. O refúgio abrange parte dos municípios de Petrópolis, Magé e Duque de Caxias.

Fonte: Instituto Estadual do Ambiente (Inea)

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.