Foto: Divulgação Prefeitura de Mogi Mirim

Mogi deverá ganhar museu com acervo de mais de 1.000 peças

A visita oficial teve por objetivo requerer o tombamento de um imóvel localizado à Rua Dr. Ulhoa Cintra, com a finalidade de transformá-lo em um museu.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O Prefeito Paulo Silva recebeu, na quarta-feira (22), no Gabinete, a visita do ex-diretor da Câmara Municipal e membro do CEDOCH (Centro de Documentação Histórica), Valter José Polettini, e do autônomo Sidnei Cirilo de Oliveira Sá. A visita oficial teve por objetivo requerer o tombamento de um imóvel localizado à Rua Dr. Ulhoa Cintra, com a finalidade de transformá-lo em um museu.

De acordo com o laudo técnico assinado pelo arquiteto e urbanista, Hamilton José Turola, o imóvel é um patrimônio histórico do Município, uma vez que estima-se ter mais de 100 anos, contando com detalhes originais, ornamentos e elementos construtivos de estilo arquitetônico eclético.

Os novos proprietários do imóvel, Valter e Sidnei, já protocolaram na Prefeitura o requerimento para tombamento do prédio. Se aprovado e autorizado pelos Conselhos Municipais e pela Câmara de Vereadores, a ideia é iniciar a revitalização de todo o imóvel, inclusive com um projeto de ampliação que garanta acessibilidade ABNT NBR 9050/2015 e permita ampla circulação pelos ambientes, atendendo à Lei Municipal de Mobilidade Urbana 341/2019 e às normas do Plano Diretor vigente.

O projeto para transformar o imóvel em museu contempla 1 hall de entrada, 5 salas de exposição, 1 cafeteria, 3 banheiros, 1 biblioteca (com acervo de mais de 600 livros de arte de todo o mundo), 1 espaço multiuso, 1 edicula e 1 área de armazenagem no piso superior destinada à reserva técnica.

“Pretendemos transformar aquele imóvel em um espaço cultural completo. A ideia é montar um museu com exposições permanentes e temporárias, além de oferecer oficinas pedagógicas de cunho artístico, cultural e educativo para os mogimirianos que têm potencial artístico, mas não têm condições financeiras de custear cursos de formação e aprimoramento. Portanto, é também uma iniciativa de cunho social, que preconiza dar oportunidades e garantir a inclusão”, explicou um dos idealizadores do projeto, Valter José Polettini.

A ideia é que o museu seja também um museu-escola, descobrindo os talentos locais e dando o devido encaminhamento artístico a eles. Como contrapartida, a Prefeitura deve garantir o tombamento e autorizar a isenção de impostos e taxas municipais, sempre com o consentimento dos Conselhos Municipais e Câmara de Vereadores.

“Acredito que Mogi Mirim precisa preservar seu patrimônio histórico e valorizar as expressões artísticas. Esse projeto idealizado por mim e pelo Sidnei vem de encontro a isso. Acreditamos que não adianta termos um acervo com mais de 1.000 peças de todo o mundo, se não pudermos compartilhar e disseminar a cultura para as outras pessoas. Temos que deixar todo esse acervo acessível, e assim, contribuir para a valorização das artes no nosso Município”, comentou Polettini.

No encontro com os idealizadores do projeto, Paulo de Oliveira e Silva demonstrou todo seu apoio à iniciativa. “Este é um presente que vocês estão dando à Mogi Mirim. É uma iniciativa inédita que vai contribuir muito com a formação artística e cultural de nossa cidade, descobrindo e valorizando os talentos locais”, destacou o Prefeito.

Embora não haja um prazo para a aprovação do projeto de tombamento do imóvel e consequente início das obras, os idealizadores estimam que, a curto prazo, o museu com acervo de mais de 1.000 peças, já esteja em plena atividade em Mogi Mirim.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.