Em 1937, J.R.R. Tolkien recebeu uma encomenda para continuar a história de “O Hobbit” e assim nasceu um dos 10 melhores livros de todos os tempos segundo o New Work TimesO Senhor dos Anéis. Tolkien criou um universo imaginário com criaturas místicas, magia e aventura.  Foi traduzido para mais de 40 idiomas, adaptado para o cinema e ainda hoje é um dos livros mais vendidos do mundo. Segundo o The Telegraph já vendeu mais de 160 milhões de cópias.

A obra foi lançada oficialmente em 1954 e no início era apenas um livro só, porém, devido à falta e preço do papel no cenário pós-guerra em que se encontrava a Inglaterra, o livro teve que ser dividido em 3 partes: A Sociedade do Anel, As duas Torres & O Retorno do Rei.

No livro, acompanhamos a história de Frodo Bolseiro, um Hobbit que vive no Condado e recebe uma missão de transportar um anel muito poderoso, no qual foi depositada a maior parte do poder de Sauron. O correto seria leva-lo até a Montanha da Perdição, para ser destruído. Nessa missão, de sucesso improvável, foi formado a Sociedade do Anel que foi composta por nove criaturas, quatro Hobbits (Frodo, Sam, Merry e Pippin), dois humanos (Aragorn e Boromir), um Elfo (Legolas), um anão (Gimli) e um Mago (Gandalf). Apesar de toda a equipe, Frodo seria o “Portador do Anel”, sendo o responsável por lançar o Anel nos fogos do vulcão de Orodruin. E assim segue a história, que, apesar de parecer simples, é bastante complicada, cheia de empecilhos e obstáculos, guerras e ataques.

Tolkien demorou cerca de 12 anos para criar todo o universo complexo e minucioso da Terra Media, que talvez poucos autores como George R. R. Martin (As Crônicas de Gelo e Fogo) e C.S.Lewis (As Crônicas de Narnia)tenham conseguido criar. O livro contém 185 personagens, dois idiomas (Quenya e Sindarin), todos bem detalhados. Isso explica as 1.202 páginas da obra. Foi ambientado em diversos lugares da Terra Media, contém muitas batalhas épicas e tem em suas primeiras páginas prólogos com explicações com tudo sobre os Hobbits:  desde a história genealógica até aparência física, e no final do livro, contém um apêndice do A ao F.

São centenas de páginas mapas, anais dos reis, história dos reinos, explicações, datas de centenas de acontecimentos, esquema com a linhagem dos personagens, calendários, alfabetos e como se pronuncia e se escreve as palavras presentes no livro, além de explicações sobre os idiomas falados. Tudo isso para facilitar e tornar mais profunda a imersão do leitor dentro do universo da Terra Media e por ser um livro bastante extenso e detalhado o que para alguns leitores chega a ser cansativo.

Apesar disso acredito que os detalhes servem para dar mais veracidade à história. E se às vezes Tolkien parece exagerar, ao final da leitura ficamos com a impressão que Elfos realmente existiram e nós somos o futuro daqueles homens que lutaram contra Mordor, mas que já se esqueceram de suas glórias de um passado muito distante, algo realmente incrível.

Um dos grandes diferenciais da obra (principalmente em 1954) é a originalidade do personagem principal Frodo, pois o mesmo não fazia parte do “estereótipo” de um herói, ele era totalmente o oposto disso. Hobbits são uma variedade da raça dos homens. São baixinhos, gordos, discretos e medrosos, isso acaba fugindo dos padrões até trazendo à tona a conclusão de que qualquer um pode ser um herói.

Reprodução da Internet

O livro conta com personagens cativantes, divertidos e fortes, e é possível se identificar com algum deles pois todos apresentam pontos fracos, falhas, problemas e, apesar disso, conseguem se superar e serem fortes até o final da missão. Parece algo bem “clichê”, entretanto, a originalidade dos personagens os diferencia de qualquer outro livro. É possível identificar no livro diversas referências a literatura Nórdica, especificadamente “O Anel dos Nibelungos”.

Com o atual cenário literário que enfrentamos, com livros de youtubers e romances feitos apenas para vender, a leitura de O Senhor dos Anéis vale muito a pena, apesar de longo, conhecer o mundo criado por Tolkien é uma oportunidade literária única. A obra possui de tudo, alternadamente é cômica, tensa, épica e monstruosa, causa um misto de emoções no leitor.

O Senhor dos Anéis é um marco para a literatura fantasia do mundo e ainda hoje serve como inspiração para teses e dissertações, além de ser um livro que é passado de geração para geração.