Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, pede demissão e deixa o cargo

Azevedo e Silva informou que deixará o cargo por meio de uma nota oficial.

O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, divulgou nota oficial nesta segunda-feira (29) informando que deixará o cargo. A exoneração ainda não foi publicada no “Diário Oficial Da União.

O comunicado não avisa o motivo da saída, que não foi antecipada pelo ministro ou pelo presidente Jair Bolsonaro até esta segunda. Azevedo e Silva foi anunciado como ministro em 2018, durante a transição do governo.

O nome do substituto ainda não foi anunciado.

Confira a nota na íntegra:

Nota Oficial

Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa.

Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado.

O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira.

Saio na certeza da missão cumprida.

Fernando Azevedo e Silva

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

CPI da Covid pode convocar Governadores, Ministros e Prefeitos na próxima semana

Os parlamentares sugerem a convocação dos ministros Paulo Guedes (Economia), Walter Braga Netto (Defesa e ex-Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil e ex-Secretaria de Governo), Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia e Inovações) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos). O ministro Wagner Rosário, da Controladoria Geral da União (CGU), é chamado a depor em um pedido de convite. Há ainda requerimentos para a convocação do ex-ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores).