Através da 2ª Promotoria de Justiça da Tutela Coletiva de Petrópolis, o Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) pediu à Câmara Municipal petropolitana, que o pagamento de 40% dos subsídios do Paulo Igor destinados aos mantimentos da família enquanto estava na prisão fossem suspensos.

A decisão de pagar parte do salário foi do juiz Jorge Luiz Martins Alves, titular da 4º Vara Cível da Cidade Imperial, com a justificativa de que a medida seria para impedir um desequilíbrio financeiro familiar.

Paulo Igor Carelli (MDB) foi preso após ser condenado por participar de processos licitatórios ilegais. Na ocasião, foi encontrada uma grande quantia de dinheiro em espécie dentro da banheira da sua casa. O vereador ficou preso durante 4 meses, e na semana passada, seus advogados de defesa conseguiram um habeas corpus, com votos favoráveis no STJ (Superior Tribunal de Justiça).

O Ministério Público justificou a ação dizendo que “a manutenção do pagamento é ilegal e tem causado constrangimento à comunidade local, gerando uma sensação de impunidade”.

O pedido do MP afirma que a suspensão deve ser feita até o parlamentar reassuma suas funções no legislativo, já que até o momento encontra-se proibido de entrar na Câmara para participar de sessões públicas.

Por: Gabriel Malheiros