Ministério da Saúde inclui adultos com HIV em grupo prioritário de vacinação

Pessoas com HIV foram inseridas no grupo de comorbidades, junto com outras doenças, como hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares.

O Ministério da Saúde incluiu nesta segunda-feira (29) as pessoas com HIV, na faixa etária entre 18 e 59 anos, na lista de prioridades da vacinação contra a Covid-19, independente da contagem de linfócitos T-CD4+.  Essas células são o principal alvo do vírus HIV e o número de linfócitos diminui com a evolução da doença. Segundo a técnica, a indicação é vacinar este grupo após encerrar a imunização de pessoas de 60 a 64 anos.

Pessoas com HIV foram inseridas no grupo de comorbidades, junto com outras doenças, como hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares.

O ministério diz que a nova atualização visa “reduzir o impacto da pandemia nesse grupo, especialmente em relação ao risco de hospitalização e óbito”.

Veja a ordem dos grupos prioritários, segundo o Plano Nacional de Imunização:

  • Pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas
  • Pessoas com deficiência institucionalizadas
  • Povos indígenas vivendo em terras indígenas
  • Trabalhadores da Saúde
  • Pessoas de 75 anos ou mais
  • Povos e comunidades tradicionais ribeirinhas
  • Povos e comunidades tradicionais quilombolas
  • Pessoas de 60 a 74 anos
  • Pessoas de 18 a 59 anos com comorbidades
  • Pessoas com deficiência permanente grave
  • Pessoas em situação de rua
  • População privada de liberdade
  • Funcionário do sistema de privação de liberdade
  • Trabalhadores de educação
  • Forças de segurança, salvamento e Forças Armadas
  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros
  • Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário
  • Trabalhadores de transporte aéreo
  • Trabalhadores de transporte de aquaviário
  • Caminhoneiros
  • Trabalhadores portuários
  • Trabalhadores industriais
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Sinal de televisão digital chega a 90% dos brasileiros

Segundo o edital do leilão do 5G, as empresas que tiverem lances vencedores nas frequências terão, como contrapartida, que arcar com os custos de transição para famílias de baixa renda que forem dependentes dos serviços atuais para captar sinais.